Educação, cultura e infância no Parque Infantil paulistano (1947-1957)

Moysés Kuhlmann Junior, Fabiana Silva Fernandes

Resumo


O artigo analisa o Boletim Interno da Divisão de Educação, Assistência e Recreio, da Secretaria de Educação e Cultura do município de São Paulo, publicado no período de 1947 a 1957, como instrumento para a formação dos educadores para o Parque Infantil, instituição extraescolar que atendia crianças de 3 a 12 anos de idade. A perspectiva teórica adotada vai ao encontro de entendimento da cultura escolar como entidade autônoma, compreendendo o fenômeno educacional como um elemento constitutivo das relações sociais e o Boletim Interno como um produto cultural que manifesta essas relações e envolve membros da Divisão, educadores e funcionários. Verifica-se que o periódico buscou imprimir uma diretriz educativa no conjunto de instituições e que a formação dos educadores ocorria por meio da organização de procedimentos profissionais, da publicação de textos de caráter teórico e da divulgação de propostas de atividade, as quais orientavam a programação das instituições. Analisa-se que o Parque Infantil não era uma instituição estranha ao fazer escolar, configurando uma proposta curricular que fazia uma versão seletiva do conhecimento e da cultura a ser transmitida, inspirando-se em modelos pedagógicos utilizados em jardins de infância e escolas primárias. A condição social do público infantil, proveniente de famílias de trabalhadores pobres e imigrantes, com lares marcados por situações adversas, foi uma das dimensões que também orientou o atendimento, além das expectativas com relação à formação do profissional e ao destino dessas crianças, como trabalhadores e pais de família.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDANUR, E. F. Os “ilustrados” e a política cultural em São Paulo: o Departamento de Cultura na gestão Mário de Andrade (1935-1938). 1992. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

BRITES, O. Imagens da infância (São Paulo e Rio de Janeiro, 1930 a 1950). 1999.

Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

CARLINI, A. L. R. S. Martin Braunwieser na viagem da Missão de Pesquisas Folclóricas 91938: diário e cartas. Revista de História, n. 138, p. 107-116, 1998.

DUBREUCQ, F. Jean-Ovide Decroly (1871-1932). Perspectives: Revue Trimestrielle d´Éducation Comparée, Unesco, Bureau international d´éducation, Paris, v. XXIII, n. 1-2, p. 251-276, 1993. Disponível em:

figari:anexos:dubreucq_f._-_jean-ovide_decroly.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2013.

FARIA, A. L. G. Educação pré-escolar e cultura. São Paulo: Cortez, 1999.

FERNANDES, F. S.; KUHLMANN JR., M. Análise de periódicos na história

da educação: princípios e procedimentos. Cadernos de Pesquisa, São

Paulo, v. 42, n. 146, ago. 2012. Disponível em . Acesso em: 30 maio 2013.

FILLIZZOLA, A. C. B. Na rua, a “troça”, no parque, a troca: os parques infantis da cidade de São Paulo na década de 1930. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

GOBBI, M. A. Desenhos de outrora, desenhos de agora: o desenho das crianças pequenas no acervo Mário de Andrade. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

GUEDES, L. Novas velhas formas de dominação: os parques infantis e o novo projeto

de dominação social. 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto

de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

JORDANOVA, L. New worlds for children in the eighteenth century: problems

of historical interpretation. History of the Human Sciences, v. 3, p. 69-83, 1990.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da

Educação, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001.

KUHLMANN JR., M. Relações sociais, intelectuais e educação da infância na história.

In: SOUZA, G. (Org.). Educar na infância: perspectivas. São Paulo: Contexto,

p. 81-97.

KUHLMANN JR., M. et al. A base de dados sobre o Boletim Interno da Divisão de

Assistência e Recreio, São Paulo, 1947 a 1957. In: CONGRESSO DE LEITURA DO

BRASIL, 16., 2007, Campinas. No mundo há muitas armadilhas e é preciso quebrá-las.

Campinas: ALB; FE-Unicamp; Prefeitura de Campinas, 2007. Disponível em:

www.alb.com.br/anais16/sem07pdf/sm07ss15_09.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2013.

KUHLMANN JR., M.; ROCHA, J. F. T. Educação no asilo dos expostos da

Santa Casa em São Paulo: 1896-1950. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 129, dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2013.

MICARONI, S. A educação física nos parques infantis da cidade de São Paulo: 1947 a 1957. Campinas: Millenium, 2010.

MOTT, M. L.; BYINGTON, M. E. B.; ALVES, O. S. F. O gesto que salva: Pérola Byington e a Cruzada Pró-Infância. São Paulo: Grifo, 2005.

PAIVA, J. S. S. A música nas propostas educacionais dos parques infantis na cidade de São Paulo: 1947 a 1957. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2009. Disponível em:. Acesso em: 27 jun. 2013.

SANTOS, M. W. dos. Educadora dos parques infantis de São Paulo: aspectos de sua formação e prática entre os anos de 1935 e 1955. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SILVA, C. C. O álbum “Parques Infantis” como objeto cultural (São Paulo, 1937). 2008.

Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

WILLIAMS, R. Cultura. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.043.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat