A apologia dos direitos humanos e a razão perversa do capitalismo: do sujeito de direitos à falácia das garantias

Hisashi Toyoda

Resumo


Este artigo trata da relação entre direitos humanos e capitalismo, partindo do pressuposto de que estão imbricados. Demonstra que tais direitos resultaram tanto do pensamento e suas inflexões na práxis política como de um processo de transformação das bases materiais de existência da sociedade, de onde emergiram novas forças e interesses consubstanciados no capitalismo. Evidencia que o capitalismo não somente pode ser visto como gênese dos direitos humanos, mas também como agente de um processo de ressignificação do sujeito, a partir do discurso elaborado sobre esses direitos. Este trabalho demonstra que, por meio dos mecanismos sutis de exercício do poder, o capital elabora e difunde a ideia da cidadania, da igualdade e da felicidade como substratos do consumo. Dá-se assim a passagem da afirmação da liberdade do sujeito como ser em si, para uma cultura social na qual o indivíduo e o objeto oferecido pelo mercado assumem contornos mais difusos. O sujeito, despersonalizado como indivíduo e cidadão, passa a ser definido a partir de uma estrutura normativa e discursiva, cujos sentidos são determinados pelo capital e pela rede de poder por ele disseminada no interior da sociedade.


Palavras-chave


Poder. Capitalismo. Direitos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras,

BAUDRILLARD, J. Sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1995.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multi-culturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

CARVALHO, C. da S.; SANTOS, G. F. C. dos. Publicidade e consumo: a felicidade sob novos signos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, INTERCOM – SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DA COMUNICAÇÃO, 31., 2008, Natal. Anais... Natal: Intercom, 2008.

DEMO, P. Solidariedade como efeito de poder. São Paulo: Cortez, 2002.

DIAS, J. C. O direito humano ao desenvolvimento e o princípio tributário da capacidade contributiva. In: SCAFF, F. F. (Org.). Constitucionalismo, tributação e direitos humanos. São Paulo: Renovar, 2007. p. 163-174.

DUSO, G. Revolução e constituição do poder. In: DUSO, G. O poder: história da filosofia política moderna. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 207-217.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo:

Studio Nobel, 1995.

FERRARI, M. Pedagogia: Michel Foucault. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2010.

FOUCAULT, M. Deux Essais sur le Sujet et le Pouvoir. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, un parcours philosophique, au delà de l’objectivité et de la subjectivité. Avec un entretien et deux essais de Michel Foucault. Paris: Gallimard, 1984.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 28. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2010.

GALINDO, D.; ASSOLINI, P. J. Eatertainment: a divertida publicidade que alimenta o público infantil. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2010.

GIACOMINI, B. A perspectiva funcionalista: poder e sistema político em Niklas Lühmann. In: DUSO, G. (Org.). O poder: história da filosofia política moderna. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 478-482.

GONÇALVES, I. H. Q. Alexis de Tocqueville: descentralização, poder local e liberdade política. 2005. 89 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2005.

GUARESCHI, M. Do modelo institucional-jurídico à analítica do poder: Michel Foucault. In: DUSO, G. (Org.). O poder: história da filosofia política moderna. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 478-488.

IANNI, O. O príncipe eletrônico. Perspectivas, Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, p. 11-29, 1999.

LUHMANN, N. Struttura della società e semantica. Bari: Laterza, 1983.

MAGALHÃES, J. L. Q. de; REIS, C. dos. A ideologia dos direitos humanos.

Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2010.

MORRISON, W. Filosofia do direito: dos gregos ao pós-modernismo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

PORTILHO, F. Consumo ‘verde’, democracia ecológica e cidadania: possibilidades de diálogo? Disponível em . Acesso em: 20 dez. 2010.

ROCHA, E.; PEREIRA, C.; BALTHAZAR, A. C. Tempo livre é tempo útil: gadgets, entretenimento e juventude. In: ENCONTRO DA COMPÓS, PUC-RIO, 19., 2010, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2010.

SOMBART, W. The quintessence of capitalism: a study of the history and

psychology of the modern business man. New York: Howard Fertig,1967.

TOALDO, M. M. Sob o signo do consumo: status, necessidades e estilos. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 7, p. 89-97, 1997.

TOCQUEVILLE, A. de. Democracy in America: historical-critical edition of De La democratie em Amerique. Translated from the French by James T. Schleifer a bilingual french-english edition. Indianapolis: Liberty Fund, 2010.

TOURAINE, A. Crítica da modernidade. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

ZIZEK, S. Plaidoyer en faveur de l’intolérance. Paris: Climats, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.socioambienta.01.002.AO06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista de Direito Econômico e Socioambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/