A legitimidade democrática das decisões proferidas pelo Tribunal Constitucional Alemão: a constitucionalidade do “mecanismo europeu de estabilidade”

Daniella Maria Pinheiro Lameira

Resumo


O caso ora a ser tratado refere-se à decisão do Tribunal Constitucional Alemão, que ganhou as atenções da mídia mundial ao se pronunciar sobre a validação de um novo mecanismo europeu de estabilidade destinado a socorrer os países com dificuldades de financiamento perante o mercado, sendo tal decisão proferida pela Corte Constitucional Alemã, cujo país é o maior contribuinte. Assim, cabe indagar qual a “força” desse julgado em nível internacional, haja vista que a Corte Constitucional nacional estaria em posição de obediência às decisões da Corte de Justiça Europeia. Assim, o propósito deste artigo é analisar a repercussão e a autoridade desse julgamento.

Palavras-chave


Constitucional; cortes constitucionais; União Europeia; mecanismo europeu de estabilidade; legitimidade democrática

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXY, R. Teoria de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Es tudios Constitucionales, 2001.

CAPONI, R. Ciò che non fa la legge, lo fa il giudice, se capace’: l’impato constituzionale della giurisprudenza della corte di cassazione italian. Nápoles: Edizione Scientiche Italiane, 2011.

CAPPELLETTI, M. O controle judicial de constitucionalidade das leis no direito comparado. Tradução de Aroldo Plínio Gonçalves. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CASTRO, C. R. S. A Constituição aberta e os direitos fundamentais. São Paulo: Forense, 2003.

DOBROKWOLSKI, S. C. A construção social do sentido da democracia contemporânea: entre soberania popular e direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

DWORKIN, R. Uma questão de princípio. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FAVOREU, L. As cortes constitucionais. Tradução de Dunia Marinho Lima. São Paulo: Landy, 2004.

HÄBERLE, P. Hermenêutica constitucional – a sociedade aberta e os intérpretes da Constituição: contribuição para a interpretação pluralista e procedimental da Constituição. Porto Alegre: Fabris, 1999.

HÄBERLE, P. A Constituição é uma declaração de amor ao país. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2012.

HESSE, K. Derecho constitucional y derecho privado. Tradução de Ignacio Gutiérrez Gutiérrez. Madrid: Civitas, 1995.

IRTI, N. L’età della decodi*cazione. Milano: Giu^rè, 1999.

MARINONI, L. G. Precedentes obrigatórios. São Paulo: RT, 2011.

STRECK, L. Direitos ambientais no Estado socioambiental. Disponível em:

-internacional-direitos-Fundamentais-no-estado-socioambiental>. Acesso em: 12 out. 2011.

SANTOS, B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolismo mundial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

STURNER, R. O novo papel das cortes supremas em um contexto político e institucional sob um ponto de vista germânico. Nápoles: Edizione Scientiche Italiane, 2011.

TARUFFO, M. Le Corti Supreme Europee: acesso, ltri e selezione - Le Corte Supreme - Atti Del Convegno. Milano: Giufrè, 2001.

TATE, C. N.; VALLINDER, T. (Org.). .e global expansion of judicial power. New York: New York University Press, 1995.

ZAGREBELSKY, G. La legge e la giustizia. Bologna: Il Mulino, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.socioambienta.03.002.AO06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista de Direito Econômico e Socioambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/