Contribuições da teoria da complexidade para a inovação no planejamento pedagógico do ensino superior

Rosane de Mello Santo Nicola, Marilda Aparecida Behrens

Resumo


Este artigo visa a identificar elementos que apontam para uma postura interdisciplinar de 18 docentes de uma instituição privada de ensino superior, expressos nos programas de disciplina produzidos durante oficinas de formação continuada institucional, com apoio da Finep – Inovação e Pesquisa, em 2016. Nesse contexto, os docentes são desafiados a superar a visão tradicional de ensino e buscar metodologias de aprendizagem ativa para inovar sua prática pedagógica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo estudo exploratório que, com base na teoria da complexidade (MORIN, 2000), realiza uma análise documental dos programas, considerando os itens que compõem o documento, por meio de categorias de análise, como integração e inter-relação entre as partes. A análise aponta para ementas integradoras de temas de estudo; uso expressivo de aprendizagem por pares, aprendizagem baseada em problemas e sala de aula invertida; 15 programas com resultados de aprendizagem que preveem aspectos interdisciplinares orientados para a lógica procedimental, na busca da funcionalidade social (profissionalizante); e três programas com resultados de aprendizagem que propõem aspectos interdisciplinares voltados para a lógica subjetiva, dirigida para as dimensões humanas e afetivas. Os resultados revelam avanços de postura interdisciplinar do professor no modelo de programa de disciplina proposto. Essa visão integradora do planejamento prepara o docente para uma abordagem interdisciplinar e representa um exercício relevante de compreensão da unicidade e complexidade do fato educativo.


Palavras-chave


Complexidade. Docência universitária. Interdisciplinaridade. Planejamento pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Notas marginais sobre teoria e práxis. In: ADORNO, T. W. Palavras e sinais: modelos críticos. Petrópolis: Vozes, 1995.

BEHRENS, M. A. Contributos de Edgar Morin e Paulo Freire no paradigma da complexidade. In: BEHRENS, M. A.; ENS, R. T. (Org.). Complexidade e transdisciplinaridade: novas perspectivas teóricas e práticas para a formação de professores. Curitiba: Appris, 2015.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Diretoria de Avaliação. Documento de área. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 2 maio 2017.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DELUIZ, N. A globalização econômica e os desafios à formação profissional. Boletim técnico do SENAC, v. 22, n. 2, 1996. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

FAZENDA, I. C. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979.

FERRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

LEIS, H. R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, v. 6, n. 73, p. 1-23, ago. 2005. Disponível em:

view/2176/4455>. Acesso em: 1 maio 2017.

LENOIR, Y.; HASNI, A. La interdisciplinaridad: por um matrimonio abierto de la razón, de la mano y del corazon. OEI – Revista Iberoamericana de Educación, n. 35, maio/ago. 2004. Disponível em . Acesso em: 1 maio 2017.

MARCELO GARCÍA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

MAZUR, E. Peer instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Trom, 1999.

MOROSINI, M. C. (Org.). Enciclopédia de pedagogia universitária. Porto Alegre: FAPERGS/RIES, 2003.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, E. H. A interdisciplinaridade como eixo articulador do ensino médio e do ensino técnico de nível médio integrados. In: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica. Ensino médio integrado à educação profissional: integrar para quê? Brasília: MEC/SEB, 2006. p. 139-153.

SANTOS, E.; SILVA, M. A pedagogia da transmissão e a sala de aula interativa. In: TORRES, P. L. (Org.). Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento. Curitiba: SENAR-PR, 2014.

SERRA, C. H. A.; BECKER, J. Globalização: influência e desafios enfrentados na mudança do paradigma da formação profissional. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 8., 2011, Rio de Janeiro. Anais... [S.l.: s.n.], 2011. Disponível em:

viii-simposio-de-excelencia-em-gestao-e.html>. Acesso em: 16 abr. 2017.

TARDIF, M. Saberes docentes & formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TORRES, P. L.; BEHRENS, M. A. Complexidade, transdisciplinaridade e produção de conhecimento. In: TORRES, P. L. (Org.). Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento. Curitiba: SENAR-PR, 2014.

ZABALA, A. A prática educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat