A docência no curso de Pedagogia - licenciatura: o que dizem os professores sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais

Helena Machado de Paula, Célia Maria Haas, Regina Magna Bonifácio de Araújo

Resumo


Este artigo apresenta o que dizem os professores que atuam nos cursos de Pedagogia, nas instituições envolvidas na pesquisa “O significado de ser Pedagogo para os alunos do novo curso de Pedagogia-Licenciatura”, desenvolvida nos anos de 2010 e 2011, tendo como campo três universidades: uma instituição privada, uma municipal e outra federal, localizadas em dois estados da região sudeste do Brasil. Adotou-se no processo investigativo uma metodologia com abordagem qualitativa, com pesquisa documental da legislação e dos projetos pedagógicos das instituições, com apoio teórico entre outros de: Gimeno Sacristan, Apple, Bourdieu, Ball, Saviani. Foram sujeitos da pesquisa, ouvidos por meio de entrevistas e questionários, alunos, professores e gestores do curso em estudo nas universidades pesquisadas. Três categorias fundamentaram a investigação: o significado de ser pedagogo, o projeto pedagógico e o currículo e a nova legislação. Da pesquisa destacaram-se para este artigo os dados obtidos por meio de um questionário aplicado aos professores visando compreender o entendimento dos mesmos acerca das categorias definidas para o estudo. Em 2006, alinhada à tendência neoliberal, foi aprovada a Resolução nº 1, do Conselho Nacional de Educação, que instituiu as novas diretrizes curriculares nacionais para o curso de Pedagogia (DCNs), definindo-o como responsável pela formação de professores para a Educação Infantil, anos iniciais do Ensino Fundamental, para cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal e para cursos de Educação Profissional na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos (Artigo 2º). Embora não tenham impedido a formação dos profissionais da educação, a dificultou pelo excesso de atributos exigidos na formação do professor. Os resultados da pesquisa apontam que nos cursos mais novos, implantados após 2006, os professores percebem a incorporação do conceito de Profissional da educação na formação para a gestão no curso de Pedagogia. Entretanto, no curso mais antigo, os professores julgam que, embora não impeçam inviabilizam na prática a formação do gestor e sentem dificuldade para se desvencilhar da cultura anterior do curso, mostram certa nostalgia em relação a esse e consideram que as diretrizes tiveram que ser açodadamente implantadas, sem a discussão anterior necessária com quem iria implantá-las. Há uma concordância nos três grupos de que houve inovação nos projetos pedagógicos após a aprovação das diretrizes, destacando-se o esforço na integração teoria e prática, e a ampliação do espaço para as metodologias de ensino da Educação Básica. A maioria dos professores entrevistados afirma que os projetos pedagógicos dos cursos em que atuam assumem a formação do licenciado com todos os requisitos previstos pelas DCNs. Todas as instituições apresentaram em comum o desafio para articular a formação geral e especifica do Pedagogo, contemplando todos os pré- requisitos oficiais para a formação do licenciado.

Palavras-chave


Políticas públicas, formação de professores, diretrizes curriculares nacionais, curso de Pedagogia, docência universitária

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, H. M. P.; HAAS, C.M.; ARAUJO, R. M. B. Relatório final de pesquisa: O Significado de ser Pedagogo. São Paulo, 2011. (Mimeografado).

APPLE, M. Educação e Poder. Trad. Maria Cristina Monteiro e Supervisão da Trad. Tomaz T. da S. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BALL, S. J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BOURDIEU, P. El sentido práctico. Version castellana de Alvaro Pazos. Madrid: Taurus Humanidades, 1991.

BRASIL. Resolução CNE nº. 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2006.

CANÁRIO, R. O que é a Escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto Editora, 2005.

CHAVES, E. O. C. O curso de Pedagogia. Cadernos do Cedes. A formação do educador em debate. São Paulo: Cortez, 1981. Ano 1-Nº2.

CRUZ, G. B. Curso de Pedagogia no Brasil – História e Formação com Pedagogos Primordiais. Rio de Janeiro: Wak, 2011.

SACRISTÁN, J. G. Reformas educativas y reforma del currículo: anotaciones a partir de la experiencia española. In: WARDE, M. J. (org.). II Seminário Internacional Novas Políticas Educacionais: Críticas e Perspectivas. São Paulo: Entrelinhas, 1998.

GOODSON, I. A Construção Social do Currículo. Lisboa: EDUCA,1997.LARROSA, J. & KOHAN, W. Apresentação da coleção. In: RANCIÈRE, J. O mestre ignorante – cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. (Coleção Educação, Experiência e Sentido).

LAWN, M. Os Professores e a Fabricação de Identidade. Revista Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2. p. 177-130, jul./dez. 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2010.

LIMA, L. C. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2001.

PABLO GENTILI, A. A. e SILVA, T. T. (Orgs). Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação, Visões críticas. 2ª Ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

SAVIANI, D. Análise crítica da organização escolar brasileira através das leis 5.540/68 e 5.692/71. In: GARCIA, W. E. Educação Brasileira Contemporânea: organização e funcionamento. São Paulo: Mcgraw Hill do Brasil, 1976. p. 174-194.

SAVIANI, D. A Pedagogia no Brasil História e Teoria. São Paulo: Autores Associados, 2008.

PROJETO PEDAGÓGICO. Universidade Confessional. Proposta de reforma curricular da graduação do curso de Pedagogia. São Paulo, 2006. (Mimeografado).

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA. Universidade Federal. Licenciatura. Minas Gerais, 2008. (Mimeografado).

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA. Universidade Municipal. Licenciatura. São Paulo, 20011. (Mimeografado).




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat