AUTORIA EM REDE: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA EMERGENTE

Edméa Santos, Felipe Silva Ponte, Tatiana Stofella Sodré Rossini

Resumo


Este trabalho busca investigar aspectos referentes a autoria na produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) por alunos da disciplina online Informática na Educação, do curso de Pedagogia do Centro de Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro (CEDERJ), nos polos Belford Roxo e Magé. A metodologia adotada foi a pesquisa-formação multirreferencial. As atividades que estimulam a enunciação, juntamente com uma visão crítica dos processos de ensino e aprendizagem, serviram como dispositivos para o diálogo entre os participantes, ampliando os espaços e tempos a partir dos usos de múltiplas redes de aprendizagem que fazem parte dos cotidianos. Assim, o processo formativo acontece pelas experiências trocadas com o outro e com o mundo. Portanto, com atividades que promovam a pesquisa, a produção e o compartilhamento de REA, dentro e fora dos espaços institucionais. Tais atividades podem contribuir para a formação de sujeitos-autores capazes de construir seus próprios dispositivos pedagógicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, N. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Educação & Sociedade , v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out./dez. 2010.

ALVES, N.; BARBOSA, I. Pesquisas nos/dos/com os cotidianos das escolas . Petrópolis: DP&A, 2008.

AMIEL, T. Educação aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: SANTANA, B; ROSSINI, C; PRETTO, N. (Org.). Recursos Educacionais Abertos : práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012, p. 17-33. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2013.

ARDOINO, J. Nota a propósito das relações entre a abordagem multirreferencial e a análise institucional (história ou histórias). In: BARBOSA, J. G. (Org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação . São Carlos: Editora da UFSCar, 1998. p. 42-49.

BAKHTIN, M. A estética da criação verbal . São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BORBA, S. Aspectos do conceito de multirreferencialidade nas ciências e nos espaços de formação. In: BARBOSA, J. (Org). Reflexões em torno da abordagem multirreferencial . São Carlos: UFSCar, 1998. p. 11-18.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CERTEAU, M. História e psicanálise : entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. HINE, C. Etnografia virtual . Barcelona: UOC, 2004.

JOSSO, M. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação , v. 30, n. 3, p. 413-438, set./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2012.

LATOUR, B. Reagregando o social : uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

LEMOS, A. Cibercultura : tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2008.

LEMOS, A. Cibercultura e Mobilidade: a era da conexão. Razón e Palabra , n. 41,out./nov. 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2013.

LEMOS, A. A comunicação das coisas : teoria ator-rede na cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

MACEDO, R. S. Chrysallís, currículo e complexidade : a perspectiva crítica multirreferencial e o currículo contemporâneo. 2. ed. Salvador: EDUFBA, 2005.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa subversiva. Série Estudos , n. 21, p. 15-32, 2006.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo . Porto Alegre: Sulina, 2007.

NÓVOA, A. Prefácio. In: JOSSO, M. Experiências de vida e formação . São Paulo: Cortez, 2004. p. 11-34.

RECUERO, R. Redes sociais na internet . Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTOS, E. Educação on-line como campo de pesquisa-formação: potencialidades das interfaces digitais. In: SANTOS, E.; ALVES, L. (Org.). Práticas pedagógicas e tecnologias digitais . Rio de Janeiro: E-papers, 2006. p. 123-141.

SANTOS, E. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In: SILVA, M; PESCE, L.; ZUIN, A. (Org). Educação online : cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak, 2010. p. 29-48.

SANTOS, E. Pesquisando com a mobilidade ubíqua em redes sociais da internet: um case com o Twitter. ComCiência , n. 135, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2013.

SILVA, M. Sala de aula interativa : educação, comunicação, mídia clássica... São Paulo: Loyola, 2010.

SILVA, M.; SANTOS, E. Conteúdos de aprendizagem para educação on-line: inspirar- se no hipertexto. Educação & Linguagem , v. 12, n. 19, p. 124-142, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2010.

WILEY, D. Openess as Catalyst for an Educational Reformation. EDUCAUSE Review , v. 45, n. 4, p. 14-20, July/Aug. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2013.

WISER, M.; BROWN, J. The coming age of calm technology. 1996. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.045.DS07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat