A MULTIDIMENSIONALIDADE DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Ilma Passos Alencastro Veiga, Edileuza Fernandes da Silva

Resumo


Este artigo analisa a organização, desenvolvimento e avaliação de aulas de nove disciplinas de cursos da Universidade de Brasília (UnB), procurando identificar inovações nos processos de ensinar, aprender, pesquisar e avaliar e que sinalizam rupturas quanto à forma de lidar com o conhecimento na universidade. As análises apresentam a maneira como cada professor foi construindo, na sua trajetória docente, uma didática específica a partir do campo científico do curso e das experiências vivenciadas no percurso profissional. A metodologia utilizada privilegiou a abordagem qualitativa, com a utilização de análise documental, observação de aulas e entrevistas narrativas. Nas aulas, professores e estudantes ultrapassam a concepção de que o conhecimento, para ser científico, precisaromper com o senso comum. Os docentes partem do senso comum, dos conhecimentos prévios dos estudantes e do contexto em que se realiza o objeto de estudo e estabelecemrelações com outras formas e tipos de conhecimento. As inovações percebidas pautam-se nos princípios da: afetividade; autonomia; participação; contextualização; dialogicidade; dinamicidade; diversidade; ética; igualdade; integralidade; ludicidade; reflexividade/ criatividade e transitoriedade. Tendo como relações fundantes: professor-aluno; objetivo-avaliação; conteúdo-método; conhecimento local-total; ensino-aprendizagem; ensino-pesquisa; teoria-prática; movimento-afetividade; tempo-espaço. 

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L. G. C. Metodologia do ensino superior: da prática docente a uma possível teoria pedagógica. Curitiba: IBPEX, 1998.

BALZAN, N. C. Indissociabilidade ensino-pesquisa como princípio metodológico. In: VEIGA, I. P. A.; CASTANHO, M. E. L. M. (Org.). Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas: Papirus, 2000. p. 115-136.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, código e controle. Petrópolis: Vozes, 1990.

BOURDIEU, P. O campo cientí"co. In: ORTIZ, R. (Org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho D’Água, 2003. p. 122-155.

BRASIL. Conselho nacional de educação câmara de educação superior. Resolução CNE/CES n. 4, de 13 de julho de 2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, e dá outras providências. Diário O%cial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 13 jul. 2005. Disponível em:

cne/arquivos/pdf/rces004_05.pdf>. Acesso em: 16 jul. 2011.

CORTESÃO, L. Ser professor: um ofício em risco de extinção? Re%exões sobre práticas educativas face à diversidade, no limiar do século XXI. Porto: Afrontamento, 2006.

LUCARELLI, E. Pedagogia universitária e inovação. In: CUNHA, M. I. (Org.). Re'exões e práticas em pedagogia universitária. Campinas: Papirus, 2007. p. 11-26.

SÁNCHEZ INIESTA, T. S. La construcción del aprendizaje em el aula: aplicación del enfoque globalizador a la enseñanza. Buenos Aires: Editorial Magistério del Rio de La Plata, 1995.

SANTOS, B. de S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, B. de S. Para uma pedagogia do con%ito. In: SILVA, L. H. da; AZEVEDO, J. C. de; SANTOS, E. S. dos (Org.). Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 15-33.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2003.

SILVA, E. F. da. Nove aulas inovadoras na universidade. Campinas: Papirus, 2011.

VEIGA, I. P. A. Organização didática da aula: um projeto colaborativo de ação imediata. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008. p. 267-298.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.5901

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat