A implicação do trabalho do formador na constituição da profissionalidade dos licenciados

Márcia de Souza Hobold, Mônica Schüler Menslin

Resumo


Considerando a importância da formação inicial como um espaço imprescindível para o aprimoramento das potencialidades profissionais dos futuros professores, este artigo tem como objetivo central conhecer a implicação do trabalho do professor formador na constituição da profissionalidade dos egressos nos cursos de licenciatura, em face à corresponsabilidade social das universidades para com a formação docente e, também, as sugestões dos professores para o aperfeiçoamento do curso de formação. A pesquisa tem como fundamento a abordagem qualitativa e foi realizada com 40 professores egressos de oito cursos de licenciatura, de uma universidade localizada na Região Sul do país. Para a coleta de dados foi utilizada a entrevista semiestruturada. Os autores que fundamentam teoricamente os dados são Beillerot (1996), Charlot (2000), Imbernón (2004) e Mizukami (2005). A pesquisa revelou que os professores que atuam como formadores nas licenciaturas implicam diretamente na constituição dos saberes e nas práticas de ensino dos que ingressam na docência. Os dados são instigantes, sendo que são derivados das falas dos professores formados, e contribuem para análises e reflexões a respeito da formação das licenciaturas. Os dados indicam a necessidade de repensar aspectos didático-pedagógicos dos formadores, sendo que muitos dos egressos referem-se à desatualização dos conhecimentos e da prática pedagógica. Outra afirmação recorrente, nas falas dos depoentes, indica a necessidade urgente de aproximação entre professor formador e escola. Os professores egressos trouxeram sugestões importantes para a melhoria dos cursos de formação inicial tanto para o âmbito institucional como para o pedagógico.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBIER, R. Pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro, 2002. (Série Pesquisas em Educação, 3).

BEILLEROT, J. La formación de formadores: entre la teoria y la práctica. Buenos Aires: UBA Novedades, 1996. (Serie Los documentos, 1).

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, 23 dez. 1996. p. 27833. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2012.

CAMPOS, M. M. A formação de professores para crianças de 0 a 10 anos: modelos em debate. Educação & Sociedade, v. 20, n. 68, p. 126-142, dez. 1999.

CHARLOT, B. Da relação com o saber. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CURY, C. R. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. São Paulo: Cortez, 2000.

GATTI, B. A formação dos docentes: o confronto necessário professor x academia. Cadernos de Pesquisa, n. 81, p. 70-74, 1991.

GATTI, B.; ANDRÉ, M. A relevância dos métodos de pesquisa qualitativa em Educação no Brasil. In: WELLER, W.; PFAFF, N. (Org.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 29-38.

GIMENO SACRISTÁN, J. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1995. p. 63-92.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 31-61.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2004.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MATTOS, P. L. C. L. A entrevista não estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. Revista de Administração Pública, v. 4, n. 39, p. 823-847, jul./ago. 2005.

MIZUKAMI, M. da G. N. Aprendizagem da docência: professores formadores. In: ROMANONSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O.; JUNQUEIRA, S. R. A. J. (Org.). Conhecimento social e conhecimento universal: aulas, saberes e políticas. Curitiba: Champagnat, 2005. v. 5, p. 69-80.

SOUZA, V. L. T. Relações interpessoais e universidade: desafios e perspectivas. In: ALMEIDA, L. R.; PLACCO, V. M. N. de S. (Org.). As relações interpessoais na formação de professores. São Paulo: Loyola, 2002. p. 35-49.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.7203

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat