A FORMAÇÃO DO EDUCADOR A PARTIR DA COMPLEXIDADE E DA TRANSDISCIPLINARIDADE

Maria Cândida Moraes

Resumo


Com este artigo, a autora examina a formação docente a partir das implicações epistemo-metodológicas da complexidade e da transdisciplinaridade, tendo em vista alguns pressupostos do Pensamento Complexo de Edgar Morin, da teoria tripolar de formação de Gastón Pineau e do Pensamento Eco-Sistêmico de M. C. Moraes. Como princípio regulador do pensamento e da ação, a complexidade exige que repensemos a formação docente a partir de um processo de formação integral de natureza transdisciplinar e que inclui os três pólos de formação: autoformação, heteroformação e ecoformação, reconhecendo a importância de sua dinâmica integrada para a vida pessoal e profissional docente. Destaca a necessidade de se dar atenção especial aos processos de autoformação, alegando que esta dimensão tem sido a menos trabalhada e considerando-a uma das mais importantes para a conquista de sua autonomia profissional, pessoal e existencial do professor. Alega que nela está também contido um processo de antropogênese que transita entre a auto e a ontoformação, onde o Eu psicológico, o Eu social e o Eu docente estão todos imbricados e influenciando, simultaneamente, tanto o SER como o FAZER docente. É, portanto, a partir da dinâmica operacional entre esses três pólos constitutivos da ação docente que emerge a complexidade subjacente à ação formadora e que se revela tanto no nível da ação de um sujeito que é multidimensional, como também no técnico-pedagógico ou no sociocultural, aspectos estes que representam a totalidade constitutiva de um sistema de formação docente, a partir da complexidade. Reconhece que todo processo formativo implica, portanto, uma dinâmica auto, hetero e ecoformadora de natureza complexa, aberta, fundada na solidariedade, no questionamento constante e nas reflexões desenvolvidas e apoiadas pelos recursos técnico-tecnológicos disponíveis. Esta visão desvela processos que envolvem incerteza, emergência, mudança, recursividade e transformação e que requerem do profissional docente um maior compromisso e responsabilidade com a educação como decorrência natural de sua consciência transdisciplinar em processo de transformação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARDORNO, J. Abordagem multirreferencial das situações educativas e formativas. In: BARBOSA, J. G. (Org.) . Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos/SP: Editora da UFSCAR, 1998.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro, 2004. (Série Pesquisa em Educação v. 3).

BÖHM, D. Sobre el dialogo. Barcelona: kairós, 1991.

DEMO, P. O profissional do futuro. In: LINSIGEN, I. V. engenheiro (Org.). Formação do : desafios da atuação docente, tendências curriculares; questões contemporâneas da educação tecnológica. Florianópolis: UFSC, 1999.

MATURANA, H. Transdisciplinaridade e cognição. In: BASERAB, Nicolescu et al. Educação e transdisciplinaridade. Brasília: UNESCO, 2000.

______.VARELA, F. A árvore do conhecimento. Campinas: Psy, 1995.

______. VARELA, F.De máquinas e seres vivos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MEDINA, A. La formación del profesorado: modelos y prácticas formativas en el centro pens iceol paueldaa. gIno:g SoEsPÚLVEDA, F.; RAJADELL, N. (Coord.). Didáctica general para. Madrid: UNED, 2001.

______. O pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORAES, M. C. Educar na biologia do amor e da solidariedade. Petrópolis: Vozes, 2003.

______.; TORRE, S. DE LA. Sentipensar: fundamentos e estratégias para reencantar a educação. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORIN, E. Ciência com consciência. Sintra: Europa-América, 1994.

______. Método 01: a natureza da natureza. Sintra: Europa-América, 1997.

______. Amor, poesia, sabedoria. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, Brasília: UNESCO, 2000.

NICOLESCU, B. et al. Educação e transdisciplinaridade II. Brasília: UNESCO, 2002.

PINEAU, G.; PATRICK, P. Trandisciplinarité et formation. Paris: L´Harmattn, 2005.

______. Investigaciones transdisciplinarias em formación. In: JORNADA DE INNOVACIÓN UNIVERSITÁRIA: TRANSDISCIPLINARIDAD, 2., Universidade de Barcelona, 2006, Anais... Barcelona, 2006. cPoRmIG OciGenINtiEs,t aI.s O e rseáebnicoasntamento da natureza. In: WEBER, R. (Org.). Diálogos : a busca da unidade perdida. São Paulo: Cultrix, 1986. aSHo EsLaDgrRaAdKoE, R.; ABRAHAM, R.; MAKENNA, T. Caos, criatividade e o retorno : triálogos nas fronteiras do ocidente. São Paulo: Cultrix,1994.

SOMMERNAN, A. Formação e transdisciplinaridade: uma pesquisa sobre emergências formativas do CETRANS. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Nova Lisboa e à Université François Rabelais de Tours. Lisboa: 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2006.

TcoOnRtRrEa Sl,a R p. oMb. rLeaz aprofesion docente en la era de la informática y la lucha . Santiago/Chile. UNESCO-OREALC, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 set. de 2006.

TORRE, S. DE LA; BARRIOS, O. Curso de formação de educadores: estratégias didáticas inovadoras. São Paulo: Madras, 2002.

______. Aprender de los errores. Buenos Aires: Magisterio de la Plata, 2005.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. De cuerpo presente: las ciências cognitivas y já experiencia humana. Barcelona: Gedisa, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat