INTERCULTURALIDADE E EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: uma construção plural, original e complexa

Vera Maria Ferrão Candau, Kelly Russo

Resumo


Este trabalho se situa no contexto da pesquisa “Multiculturalismo, Direitos Humanos e Educação”, desenvolvida no período de 2006 a 2009, com o apoio do CNPq. Analisa a construção da perspectiva da educação intercultural no continente latino-americano, destacando as principais contribuições que têm enriquecido esta abordagem, tanto do ponto de vista teórico quanto de suas implicações nos processos educacionais e sociopolíticos dos diferentes países. Parte das contribuições da educação escolar indígena, considerada a origem desta preocupação em nosso continente, apresenta contribuições dos movimentos negro, tendo presente sua diversidade de configurações no continente, e destaca as experiências de educação popular desenvolvidas no continente e, neste contexto, a figura de Paulo Freire como especialmente relevante para o aprofundamento da perspectiva da educação intercultural. Assinala também a incorporação da educação intercultural nas reformas curriculares dos anos 90 e a tendência a transformá-la em elemento funcional aos sistemas sociopolíticos vigentes. Aborda a perspectiva crítica da interculturalidade, que a considera como um dinamismo orientado a uma transformação estrutural das sociedades latino-americanas. Nesta ótica, dá especial ênfase às reflexões do grupo “modernidadecolonialidade”, constituído por um conjunto de especialistas que centram sua análise nas relações de poder presentes no continente em todo seu processo de formação histórica. Este estudo procura evidenciar o aspecto plural, complexo e original da construção da perspectiva da educação intercultural na América Latina. 

Texto completo:

PDF

Referências


COLLET, C. Quero progresso sendo índio: o princípio da interculturalidade na educação escolar indígena. 2001. 150 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2001.

FANON, F. Peles negras, máscaras brancas. Rio de Janeiro: Fator, 1983.

______. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. da UFJF, 2005.

FAUNDEZ, A.; FREIRE, P. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FERREIRA, K. M. A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. In: LOPES DA SILVA, A.; FERREIRA, M. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.

GOHN, M. G. Educação popular na América Latina no novo milênio: impactos do novo paradigma. ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 4, n. 1, p. 53-77, 2002.

LÓPEZ, L. E.; KÜPER, Wo. La educación intercultural bilingüe en América Latina: balance y perspectivas. Revista Iberoamericana de Educación – OEI, n. 20, 1999. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2008.

LÓPEZ, L. E.; SICHRA, I. La educación en áreas índigenas de América Latina: balances y perspectivas. In: HERNAIZ, I. (Org.). Educación en la diversidad. Experiencias y desafíos en la Educación Intercultural. Buenos Aires: IIPE, 2004. p. 121-149.

LÓPEZ, L. E. Trece claves para entender la interculturalidad en la educación latinoamericana. In: PRATS, E. (Org.). Multiculturalismo y educación para la equidad. Barcelona: Octaedro-OEI, 2007. p. 13-44.

MATO, D. (Org.). Políticas de identidades y diferencias sociales en tempos de globalización. Caracas: FACES, 2003.

MEJÍA, V. Y. El modelo de Ayllu: sistematización de Warisata Escuela-Ayllu. In: REUNIÃO ANUAL DE ETNOLOGIA, 19., 2006, La Paz. Anais... La Paz: Museu Nacional de etnografia e folclore, 2006. Disponível em: . Acessado em: agosto 2006.

PÉREZ, E. Warisata La escuela Ayllu. Bolívia: E. Burillo, 1962.

RUSSO, K. Quando ‘outros mundos’ se encontram: movimentos indígenas e a construção de uma identidade étnica transnacional no Fórum Social Mundial. In:

MATO, D.; FERMÍN, A. Cultura y transformaciones sociales en tempos de globalización: perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO Libros, 2007. p. 199-212.

TUBINO, F. La interculturalidad crítica como proyecto ético-político. In: ENCUENTRO CONTINENTAL DE EDUCADORES AGUSTINOS, 1., 2005, Lima. Anais… Lima: Universidad Andina, 2005.

WALSH, C.; GARCÍA, J. El pensar del emergente movimiento afroecuatoriano. Reflexiones (des)de un proceso. In: MATO, D. (Org.). Estudios y otras prácticas intelectuales latinoamericanas en cultura y poder. Caracas: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales y Universidad central de Venezuela, 2002. p. 317-326.

______. Pensamiento crítico y matriz (de)colonial- ref lexiones latinoamericanas. Quito: Abya-Yala, 2005.

______. Interculturalidad y colonialidad del poder: un pensamiento y posicionamiento otro desde la ‘diferencia colonial. In: WALSH, C. et al. Interculturalidad, descolonización del estado e del conocimiento. Buenos Aires: Signo, 2006. p. 21-70.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v10i29.3076

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat