Narrativas de educadores da socioeducação: representações sociais sobre adolescência na tessitura do trabalho socioeducativo

Ana Maria Eyng, Auda Ramos

Resumo


No texto colocamos sob interpretação as representações sociais de educadores da socioeducação sobre a adolescência. A abordagem transversal do objeto se dá na análise da rede de significados, que configuram as representações sociais de um grupo multiprofissional de educadores, os quais enunciam suas narrativas sobre um objeto e num contexto compartilhado. O estudo das representações tem como aporte as contribuições de Moscovici (1961) e o aplicado nos estudos de Alves‑Mazzotti (2015), Passeggi (2011), Ribeiro, Carvalho e Antunes-Rocha (2017), Sousa et al. (2014), Teibe e Andrade (2017). As narrativas em discussão advêm de estudo de campo, que abrangeu observação das dinâmicas de interação entre sujeitos no contexto das práticas socioeducativas e entrevistas individuais com a escuta de 17 educadores que compõem a equipe multiprofissional. Das narrativas dos educadores colocamos em destaque as significações sobre a adolescência e os adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto. As representações sociais extraídas das narrativas dos educadores estão ancoradas em duas direções em contradição que constituem as redes de significados acerca dos adolescentes. As representações sociais sobre a adolescência, nas quais ainda persistem narrativas da situação irregular, ampliam sobremaneira as demandas das práticas socioeducativas que, além do trabalho multidisciplinar, desafiam a desconstrução de tais referências na perspectiva da garantia dos direitos da infância.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.20.066.DS10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat