Narrativas tecnofóbicas na Cibercultura: representações da ciência e tecnologia a partir da série Black Mirror

Kaio Eduardo Oliveira, Cristiane de Magalhães Porto

Resumo


A produção audiovisual de filmes e seriados, além de ter como característica o entretenimento, também traz para o público, temas que podem pautar diversas conversas, ou meios que instigam, aprofundam e até mesmo ensinam sobre determinados assuntos. Deste modo, este texto tem como objetivo discutir como a representação da ciência e tecnologia é problematizada pelos espectadores da série Black Mirror em redes sociais digitais. Posto que, mesmo não sendo a divulgação científica o principal foco, a série pode contribuir para o debate sobre o tema a partir de questões que envolvem ciência e, principalmente, tecnologia em alguns episódios. Portanto, por meio de uma pesquisa qualitativa, com observação direta no Facebook e coleta de dados com caráter exploratório descritivo, este artigo evidencia que o debate sobre ciência e tecnologia percorre um sentido de fobia e aversão à ciência e à tecnologia, a partir da expressão das subjetividades dos fãs, no debate articulado a partir do seriado em comentários no Facebook. Com isso, conclui-se que embora problematize nossa relação com as tecnologias, o seriado Black Mirror constrói uma representação de ciência e tecnologia como vilãs das práticas sociais humanas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.19.062.DS07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat