A formação de professores em Portugal: lutas, valores e reivindicações na construção da profissão docente ao longo da 1ª República Portuguesa

Helder Manuel Guerra Henriques

Resumo


Neste texto discutimos a construção da profissão docente, em Portugal, tomando como ponto de partida a formação de professores para o ensino primário, com particular incidência no período da 1ª República Portuguesa (1910-1926). Procuramos demonstrar, por meio da Escola Distrital de Habilitação do Magistério Primário de Castelo Branco, como a profissão de professor foi se construindo a partir de um conjunto de valores incorporados por influência do Estado; e, por outro lado, assumir a importância das causas, lutas e reivindicações do grupo, ainda em processo de formação, como mecanismo de socialização e consolidação da profissão de professor ao longo do arco temporal em análise. Para o efeito, ancoramos o trabalho na História da Educação e na Sociologia das Profissões estabelecendo um diálogo entre estes dois campos científicos. O corpus documental analisado divide-se entre documentação legal e institucional e a imprensa pedagógica produzida pelos alunos-mestres. A crítica histórica foi a abordagem metodológica escolhida uma vez que permite colocar em crise as próprias fontes e interpela-las de um modo válido.keywords: Formação. Profissão. Professor. Portugal.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBOTT, A. The System of Professions − An Essay on the Division of Expert Labor. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1988.

ADÃO, A.; SILVA, C. M.; PINTASSILGO, J. (Org.). O Homem vale sobretudo pela educação que possui − Revisitando a primeira reforma republicana do ensino infantil, primário e normal. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2012. Disponível em Acesso em: dez. 2014.

A INSTRUÇÃO em Sarzedas. Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 6, p. 2. 06 set. 1916.

CONSIDERAÇÕES. Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 8, p. 1. 20 set. 1916.

FERREIRA, A. G.; HENRIQUES, H. As normas e os valores na construção da identidade profissional da enfermagem portuguesa: décadas de 40 a 80 (séc. XX).

Estudos do Século XX. n. 12. 2012, p.139-158.

GOMES, J. F. Estudos Para a História da Educação no Século XX, Coimbra: Livraria Almedina, 1980.

GOULÃO, F.. Instrução Popular na Beira Baixa. Coimbra: Alma Azul, 2003.

HENRIQUES, H. Escolas de formação de professores em Castelo Branco (1898-1988). In: PINTASSILGO, J. (Coord.). Escolas de Formação de Professores em Portugal. Lisboa: Colibri, 2012a. p. 119-148.

HENRIQUES, H. Formação, Sociedade e Identidade Profissional dos Enfermeiros: A Escola de Enfermagem de Castelo Branco/Dr. Lopes Dias. 594 p. Tese de doutoramento.

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de

Coimbra, Coimbra, 2012b.

JUSTA defesa. Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 4, p. 2. 08 ago. 1916a.

JUSTA defesa. Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 6, p. 1. 06 set. 1916b.

MEDIDA que se impõe. Albicastrense. Coimbra, ano I, n.4, p. 1. 23 ago. 1916.

MOGARRO, M. J. A formação de professores no Portugal Contemporâneo − a Escola do Magistério Primário de Portalegre. 2 V. Cáceres: Universidad de Extremadura, 2001.

NO ESQUECIMENTO. Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 9, p. 2. 27 set. 1916.

O NOSSO fim. Albicastrense. Coimbra, ano I, nº 1, p. 1. 2 ago. 1916.

NOVOA, A. Les Temps dês Professeurs − Analyse sócio-historique de la profession enseignante au Portugal (XVIII − XX Siécle). 2 V. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Cientifica, 1987.

PINTASSILGO, J. O Ensino primário. In: PROENÇA, M.C. (Coord.). Educação para todos: o ensino na I República. Lisboa: Imprensa Nacional Casa-Moeda, 2011a. p. 71-76.

PINTASSILGO, J. “Em torno da Arte de Ensinar: vocação, paixão, exemplaridade moral e prática”. In: Arte y oficio de enseñar: dos siglos de perspectiva histórica.

XVI Coloquio Nacional de Historia de la Educación. Valladolid: Sociedad Española de Historia de la Educación − Universidad de Valladolid − Centro Internacional de la Cultura Escolar, 2011b. 10 p.

PINTASSILGO, J., MOGARRO, M. J., & HENRIQUES, R. P. (Coord). A formação de professores em Portugal. Lisboa: Colibri, 2010.

PINTASSILGO, J. Introdução − História e Historiografia das Escolas Normais em Portugal. In: PINTASSILGO, J.; SERRAZINA, L. (Org.). A Escola Normal de Lisboa e a Formação de Professores − Arquivo, História e Memória, Lisboa: Colibri, 2009.

PREGANDO no deserto Albicastrense. Coimbra, ano I, n. 8, p. 3. 20 set. 1916.

QUESTÕES pedagógicas: o professor para com a família, pátria e sociedade.

Albicastrense. Coimbra, ano II, p. 3. 29 nov. 1917.

RODRIGUES, M. L. Sociologia das Profissões. Oeiras: Celta Editora, 1997. SILVA,

M. C. Assuntos pedagógicos, Educação Moral, formação do caracter. Albicastrense.

Coimbra, ano I, p. 3. 24 jun. 1917.

LIVRO DE ACTAS DO CONSELHO ESCOLAR, n. 1, sessão de 01 de Julho de 1918. Portugal, 1918.

LIVRO DE ACTAS DO CONSELHO ESCOLAR, n. 1, sessão de 02 de Novembro de 1913. Portugal, 1913.

LIVRO DE ACTAS DO CONSELHO ESCOLAR, n. 1, sessão de 06 de Fevereiro de 1906. Portugal, 1906.

LIVRO DE ACTAS DO CONSELHO ESCOLAR, n. 1, sessão de 08 de Novembro de 1900. Portugal, 1900.

PORTUGAL. Decreto-Lei 9.233. 29 de Março de 1911.

PORTUGAL. Ministério do Reino. Diário do Governo. n. 294, 29 dez. 1897.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.046.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat