AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO BÁSICA: AS PESQUISAS DO ESTADO DA ARTE EM QUESTÃO (1980-2007)

Adolfo Ignacio Calderón, Heloisa Poltronieri

Resumo


Este artigo tem por objetivo identificar e analisar os estudos existentes sobre o estado da arte focados na área da avaliação da aprendizagem da Educação Básica, visando a compreender as principais contribuições e preocupações teórico-metodológicas da comunidade científica brasileira na área em questão. As referências de análise foram três grandes pesquisas estruturantes da compreensão da avaliação da aprendizagem como campo de conhecimento, que focam um período de 28 anos (1980 a 2008) (BARRETO; PINTO, 2001; SOUSA, 1994; ULER, 2010), complementadas por duas pesquisas que ressaltam especificidades da área (CANDAU; OSWALD, 1995; SOUSA, 2005). Analisando a produção científica dentro de uma linha de tempo, fica evidenciada a força do paradigma tecnicista nas décadas de 1970 e 1980, bem como as tentativas de sua superação no decorrer da década de 1980 na direção de propostas formativas e emancipatórias. Na década de 1990, a preocupação dos pesquisadores deslocou-se das práticas avaliativas na escola, de cunho tecnicista, para a abordagem crítica das ideias, concepções, teorias e pressupostos da avaliação. Na primeira década do século XXI, constatou-se um direcionamento teórico que acenava para a hegemonia, no campo científico brasileiro, de um paradigma emancipatório, que tinha em seu cerne a avaliação da aprendizagem de forma processual, participativa e formativa. Contudo, as pesquisas demonstram o acentuado distanciamento entre os referenciais teóricos utilizados nas universidades (paradigma emancipatório) e a realidade das escolas públicas (paradigma tecnicista-tradicional).

Palavras-chave


Avaliação da aprendizagem. Estado da arte. Pesquisa em educação.

Texto completo:

PT EN

Referências


BARRETO, E. S. S.; PINTO, R. P. Avaliação na Educação Básica (1990-1998).

Brasília, DF: MEC/Inep/Comped, 2001.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

Disponível em . Acesso

em: 30 ago. 2013.

CALDERÓN, A. I.; FERREIRA, A. G. Administração da educação no Brasil: um diálogo comparativo com as tendências temáticas da Revista Ibero-Americana de Educação. RBPAE, v. 27, n. 2, p. 321-339, maio/ago. 2011.

CANDAU, V. M.; OSWALD, M. L. M. B. Avaliação no Brasil: uma revisão bibliográfica. Cadernos de Pesquisa, n. 95, p. 25-36, nov. 1995.

CASTRO, M. L. S.; WERLE, F. O. C. Estado do conhecimento em administração da educação: uma análise dos artigos publicados em periódicos nacionais 1982-2000. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 12, n. 45, p. 1045-1064, out./dez. 2004.

DIAS SOBRINHO, J. O campo da avaliação: evolução, enfoques, definições. In:

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação

superior. São Paulo: Cortez, 2003. p. 13-52.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação e

Sociedade, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.

GATTI, B. A. Avaliação educacional no Brasil: pontuando uma história de ações.

EccoS Revista Científica, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 17-41, jun. 2002.

GOMES NETO, J. B.; ROSENBERG, L. Indicadores de qualidade do ensino e seu

papel no Sistema Nacional de Avaliação. Em Aberto, v. 15, n. 66, p. 13-28, abr./

jun. 1995.

NÓBREGA-THERRIEN, S. M.; THERRIEN, J. Trabalhos científicos e o estado da

questão: reflexões teórico-metodológicas. Estudos em Avaliação Educacional,

v. 15, n. 30, p. 5-16, jul./dez. 2004.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da

arte” em educação. Diálogo Educacional, v. 6, n. 19, p. 37-50, set./dez. 2006.

SAUL, A. M. Incursionando pela teoria da avaliação educacional. In: SAUL, A. M. Avaliação emancipatória: desafios à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 25-52.

SOUSA, C. P. (Org.). Avaliação do rendimento escolar. 15. ed. Campinas: Papirus, 2008.

SOUSA, S. Z. L. Avaliação da aprendizagem: natureza e contribuições da pesquisa no Brasil no período de 1980 a 1990.1994. 194 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

SOUSA, S. Z. L. Avaliação da aprendizagem nas pesquisas no Brasil de 1930 a 1980. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 94, p. 43-49, ago. 1995.

SOUSA, S. Z. L. 40 anos de contribuição à avaliação educacional. Estudos em Avaliação Educacional, v. 16, n. 31, p. 7-36, jan./jun. 2005.

TYLER, W. R. Princípios básicos de currículo e ensino. 6. ed. Porto Alegre:

Globo, 1979.

ULER, A. M. Avaliação da aprendizagem: um estudo sobre a produção acadêmica dos programas de pós-graduação em educação. 2010. 237 f. Tese (Doutorado em Educação) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213//dialogo.educ.13.040.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat