O mercado do mental

Antônio Márcio Ribeiro Teixeira

Resumo


O autor se propõe a uma descrição crítica do meio sócio-técnico no qual se constitui o mercado da saúde mental, dando ênfase à passagem da definição instrumental do sujeito para a constituição contemporânea do sujeito do consumo. Ao criticar a reificação instrumental do sujeito, assim como o processo de homogeneização coletiva do qual as práticas de avaliação dependem para fixar o seu objetivo, o artigo expõe o modo pelo qual a experiência psicanalítica revela um objeto inavaliável na relação do sujeito com o gozo, no sentido de algo que não se presta ao uso instrumental nem tampouco comporta medidas de comparação ou critérios de equivalência.

Texto completo:

PDF

Referências


BADIOU, A. Le siècle. Paris: Seuil, 2005.

BARTHES, R. Mythologies. Paris: Seuil, 1957.

CANGUILHEM, G. Qu’est-ce que la psychologie? Cahiers pour l’Analyse, Paris. n. 1/2, p. 77-86, 1966.

CASTRO, R. A estrela solitária: um brasileiro chamado Garrincha. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. In: FREUD, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1974. v. 21.

GOULD, S. The mismeasure of man. New York: W. Norton & Co., 1981.

LA METTRIE, J. L’homme-machine. Paris: Denoel, 1981.

LACAN, J. Écrits. Paris: Seuil, 1966.

LACAN, J. Télévision. Paris: Seuil, 1974.

LUKÁCS, G. History and class consciousness. London: Merlin Press Ltd., 1971.

TEIXEIRA, A.; MATTOS, S.; SAFATLE, V. O dever de ser feliz. In: FUENTES, M. J.; VERAS, M. Felicidade e sintoma: ensaios para uma psicanálise no século XXI. São Paulo: Corrupio, 2008. p. 47-56.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v23i33.8315

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.