Analítica e Dialética na primeira Filosofia de Fichte

João Geraldo Martins Da Cunha

Resumo


A primeira parte deste artigo mostra que tanto A. Philonenko quanto T. Rockomore, cada um a seu modo e por vias bastante distintas, parecem relativizar a importância dos ‘princípios’ da Doutrina da ciência. Num caso como no outro, em termos muito gerais, talvez pudéssemos dizer que a relação Kant-Fichte seria avaliada em função da dialética da primeira Crítica, tanto porque o uso da lógica geral como órganon só pode ser dialético, quanto porque a natureza hipotética da argumentação de Fichte deve nos levar a uma interpretação não fundacionista de sua Doutrina-da-ciência. A segunda parte deste trabalho, em contraposição a essas leituras, analisara três textos de Fichte a fim de indicar que seria possível defender uma intepretação da Doutrina-da-ciência como uma espécie de aprofundamento da transcendentalização da lógica operada por Kant na primeira Crítica. Essa análise, nos limites deste trabalho, só poderá ser indicativa e esquemática; mas isso não impede, a meu ver, que ela possa sugerir uma chave frutífera para desenvolvimentos futuros.  

Texto completo:

PDF

Referências


BREAZEALE, D. Inference, Intuition, and Imagination: On the Methodology

and Method of the First JenaWissenschaftslehre. In: BREAZEALE, D.;

ROCKMORE, T. (Ed.) New Essays in Fichte´s Foundation of the Entire Doctrine of

Scientific Knowledge. New York: Humanity Books, 2001. p.19-36.

CODATO, L. Lógica formal e transcendental: Kant e a questão das relações

entre intuição e conceito no juízo. In: Analytica, v. 10, n 2, p. 125-145, 2006.

CUNHA, J. G. M. Da Metodologia à Doutrina-da-ciência: Fichte leitor de Kant.

In: Filosofia alemã de Kant a Hegel. CARVALHO, M.& FIGUEIREDO, V. (Org.).

v. 3. p. 273-286.

ERDMANN, J.E. Die Entwicklung der deutschen Speculation seit Kant. Stuttgart:

Frommann, 1931.

FICHTE, J. G. Gesamtausgabe der BayerischenAkademie der Wissenschaften. Ed. R.

Lauth e H. Jacob. Stuttgart: Frommann-Holzboog, 1962.

FICHTE, J. G. Sämmtliche Werke, Berlin: de Gruyter, 1965.

___________. Sobre o conceito da Doutrina-da-Ciência ou da Assim chamada

Filosofia. Trad. R. R. Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

___________. A Doutrina-da-ciência de 1794. Trad. R. R. Torres Filho. São Paulo

:Abril Cultural: 1980.

GOUBET, J,F. Fichte etlaphilosophietranscendantalecomme Science: étude sur la

naissance de la première Doctrine de la Science (1793-1796). Paris: L´Harmattan,

HEGEL, G. W. F. Wissenschaft der Logik. Zweiter Band. Die subjektive Logik.

In: HEGEL, G. W. F.Gesammelte Werke. Ed. W. Jaeschke. Hamburg: Meiner,

v. xii

JAEGER, W. Grundlegungeiner Geschichte seiner Entiwicklung. Berlin: Weidmann,

KANT, I. Kritik der reinen der Vernunft. Hamburg: Felix MeinerVerlag, 1976.

________ Kants gesammelte Schriften. Ed. por Königlich Preussliche Akademie

der Wissenschaften, Berlin 1902.

LONGUENESSE, B. Kant et le pouvoir de juger. Paris: PUF, 1993.

LAUTH, R. Le progress de la connaissance dans la première Doctrine de la

Science de Fichte. In: Le Bicentenaire de la Doctrine de la Science. Lille: 1995, p.

-45.

MAIMON, S. Die Kategorien des Aristóteles. In: Gesammelte Werke. Hildesheim:

Olms, 1971.

PAREYSON, L. Fichte: Il sistema dela libertá. Milão: Mursia, 1976.

PHILONENKO, A. La liberté humaine dans la philosophie de Fichte. Paris: Vrin,

ROCKMORE, T. Fichtean Circularity, Anti Foundationism and Groundless

System. In: Idealistic Studies. 1995. v. 25, n.1, p. 107-124.

THOMAS-FOGIEL, I. Logique formalle, logique transcendentale et logique de

l´effectuation. In: Fichte. Paris:Vrin, 2004. p.147-170

TILLIETTE, X. L´intuition intellectuelle de Kant à Hegel. Paris: Vrin, 1995.

TORRES FILHO, R.R. O espírito e a letra: A Crítica da imaginação pura em

Fichte. São Paulo: Ática, 1975.

VUILLEMIN, J.L´Héritage kantien et la revolution copernicienne. Paris: PUF, 1954.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.27.042.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.