Mudança estrutural da esfera privada? Big data e os desafios à antropologia política da modernidade

Leonardo da Hora

Resumo


Uma reflexão crítica sobre os caminhos e descaminhos das tecnologias contemporâneas se impõe com cada vez mais força na atualidade. Não se pode mais falar das dimensões “social” e “política” apenas se referindo à interação intersubjetiva; é preciso focar igualmente na interação humana com os aparatos técnicos. Tendo como pano de fundo a crescente digitalização da vida, acompanhada de processos de captação e armazenamento massivos de dados por parte de diferentes mecanismos e instâncias, gostaria de abordar, neste artigo, uma série de análises sobre os impactos do big data nos campos da economia, da política e da subjetividade a fim de colocar a seguinte questão: em que medida esse novo fenômeno não altera a configuração dos espaços de socialização e subjetivação, notadamente a esfera privada, de sorte a gerar um impacto na própria estruturação das democracias modernas? Tal questão se impõe na medida em que a antropologia política da modernidade é baseada, predominantemente, em uma noção substancial de sujeito autônomo, que possui na esfera privada um espaço fundamental de atividade e vivência cujo acesso lhe é privilegiado. Sendo assim, o objetivo do artigo é o de iniciar uma discussão sobre até que ponto as bases da antropologia política da modernidade não estariam sendo solapadas a partir de uma “mudança estrutural da esfera privada”, uma vez que o acesso privilegiado do indivíduo a determinados dados privados poderia ser suplantado pelo advento do Big Data, ameaçando um dos principais pressupostos teóricos e institucionais do liberalismo e da democracia moderna, a saber: a de que somos seres autônomos, responsáveis e os únicos capazes de legitimamente deliberar e tomar determinadas decisões. Procurarei trabalhar tal questionamento a partir de uma proposta de reatualização do conceito habermasiano de consciência tecnocrática.


Palavras-chave


Big data; Esfera privada; Autonomia; Filosofia política; Modernidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. A Condição Humana. 10a edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

COHEN, J. Examined Lives: Informational Privacy and the Subject as Object. Stanford Law Review, v. 52, n. 5, p. 1373-1438, 2000.

FLORIDI, L. The Fourth Revolution: How the infosphere is reshaping human reality. New York ; Oxford: Oxford University Press, 2014.

HABERMAS, J. Faktizität und Geltung. Frankfurt: Suhrkamp, 1994.

HABERMAS, J. Técnica e Ciência como Ideologia. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores- Escola de Frankfurt).

HAN, B.-C. O coronavírus de hoje e o mundo de amanhã. El País, 22 mar. 2020a. Disponível em: https://brasil.elpais.com/ideas/2020-03-22/o-coronavirus-de-hoje-e-o-mundo-de-amanha-segundo-o-filosofo-byung-chul-han.html. Acesso em: 30 abr. 2020.

HAN, B.-C. Pandemia do coronavírus indica retorno à sociedade disciplinar. Folha de São Paulo, 5 abr. 2020b. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/04/pandemia-do-coronavirus-indica-retorno-a-sociedade-disciplinar.shtml. Acesso em :30 abr. 2020.

HEIDEGGER, M. A questão da técnica. Sci. stud., São Paulo , v. 5, n. 3, p. 375-398, Sept. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662007000300006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S1678-31662007000300006.

LUPTON, D. The diverse domains of quantified selves: self-tracking modes and dataveillance. Economy and Society, v. 45, n. 1, p. 101-122, jan. 2016.

MENÁRGUEZ, A. Os privilegiados são analisados por pessoas; as massas, por máquinas. El País, 21 nov. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/12/tecnologia/1542018368_035000.html. Acesso em: 23 dez. 2018.

REPA, L. A cooriginariedade entre direitos humanos e soberania popular: a crítica de Habermas a Kant e Rousseau. Trans/Form/Ação, vol. 36, pp. 103-120, 2013.

ROUSSEAU, J-J. Do contrato social. Ed. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

ROUVROY, A. Le gouvernement algorithmique ou l’art de ne pas changer le monde. La revue nouvelle, n. 8, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/28370856/Le_gouvernement_algorithmique_ou_lart_de_ne_pas_changer_le_monde. Acesso em: 23 dez. 2018.

STAHL, T. Indiscriminate Mass Surveillance and the Public Sphere. Ethics and Information Technology, v. 18, n. 1, p. 33–39, 2016.

ZUBOFF, S. Big Other: Surveillance Capitalism and the Prospects of an Information Civilization. Social Science Research Network, 4 abr. 2015. Disponível em: https://papers.ssrn.com/abstract=2594754. Acesso em: 14 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.32.057.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.