ONTOLOGIA E ARTES EM MERLEAU-PONTY

Luiz Damon Santos Moutinho

Resumo


Procuramos discutir a ontologia indireta de Merleau-Ponty a partir do estatuto conferido por ele às artes. De início, vinculando o logos do mundo estético de que fala a ontologia ao tema da pintura, o que confere a esta uma signifi cação metafísica. Depois, vinculando aquele mesmo logos ao sentido do trabalho do artista. Por fi m, uma aproximação entre Sartre e Merleau- Ponty a propósito da pintura e da literatura: de um lado, a ontologia merleaupontiana interdita conferir ao objeto estético o estatuto de irreal, como o faz Sartre; de outro, ela interdita ainda, por meio de uma distinção entre parole parlante e parole parlée, o papel proeminente conferido por Sartre ao prosador.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBARAS, R. De l’être du phénomène. Sur l’ontologie de Merleau-Ponty.

Grenoble: Jérôme Million, 1991.

HEIDEGGER, M. Prolegomena zur Geschichte des Zeitbegriffs. Band 20.

Frankfurt: Vittorio Klostermann, 1979.

MERLEAU-PONTY, M. Signes. Paris: Gallimard, 1985.

MERLEAU-PONTY, M. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1995a.

MERLEAU-PONTY, M. La prose du monde. Paris: Gallimard, 1995b.

MERLEAU-PONTY, M. Notes de cours. Paris: Gallimard, 1996a.

MERLEAU-PONTY, M. L’oeil et l’esprit. Paris: Gallimard, 1996b.

MERLEAU-PONTY, M. Le visible et l’invisible. Paris: Gallimard, 1996c.

MERLEAU-PONTY, M. Causeries. Paris: Seuil, 2002.

SARTRE, J.-P. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i31.2524

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.