A petitio principii kantiana na formulação do conceito de lei moral na fundamentação da metafísica dos costumes segundo Schopenhauer

Eli Vagner Francisco Rodrigues

Resumo


No capítulo da obra “Sobre o Fundamento da Moral” denominado “Crítica ao fundamento dado à moral por Kant”, Schopenhauer acusa Kant de ter cometido uma “petição de princípio” na formulação do conceito de lei moral na “Fundamentação da metafísica dos costumes”. A análise do conceito de lei moral é fundamental para Schopenhauer estabelecer o débito da ética kantiana em relação à teologia, mais precisamente ao decálogo mosaico. O significado originário de lei (lex, nomos), argumenta Schopenhauer, limita-se a lei civil, uma instituição que repousa no arbítrio humano. Um segundo significado é o sentido metafórico de lei da natureza. Ambos não se aplicam à filosofia moral. Uma lei na forma de um “tu deves” não pode ser legítima por si só. A introdução dos conceitos de “prescrição” e “dever” representam o grande defeito da ética de Kant, o proton pseudos de sua filosofia moral, uma inaceitável petição de princípio, que compromete toda a ética. O eudemonismo, banido como heteronomia, é sutilmente reintroduzido sob a forma de Soberano Bem. O fundamento para a admissão de uma razão prática seria a psicologia racional. Esta doutrina afirmava que a alma teria uma faculdade superior ou inferior de conhecimento e uma faculdade de desejar do mesmo tipo. Ela seria um intellectus purus ocupado apenas com representações espirituais, não sensíveis. A razão pura kantiana seria, então, segundo Schopenhauer, proveniente de uma reminiscência não consciente desta doutrina, base de considerações teológicas. Esta acusação leva Schopenhauer a examinar, também, o conceito de dever incondicionado, classificado como uma contradictio in adjecto (contradição em termos). Schopenhauer conclui que os erros lógicos cometidos por Kant foram provocados por pressupostos teológicos.


Palavras-chave


Lei. Moral. Dever. Eudemonismo. Crítica.

Texto completo:

PDF

Referências


CACCIOLA, M. L. O. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 22; n. 2, pp.49-61. 2017.

BITTENCOURT, R. N. Revista Voluntas: estudos sobre Schopenhauer – Vol. 2 – Nº 1 – ISSN: 2179-3786 - pp. 03-21. 2011.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes, Edições 70, Lisboa, 2007.

KANT. I. Crítica da razão prática, Introdução e Notas de Valério Rohden, Martins Fontes; Edição: 2ª, Bílíngue, 2015.

SHOPENHAUER, A. Sobre o fundamento da moral, Editora Martins Fontes, São Paulo, 1995.

SHOPENHAUER, A. O Mundo como vontade e como representação. Crítica da filosofia kantiana, Editora Unesp, São Paulo, 2005.

TUGENDHAT, E. Lições sobre ética, Editora Vozes, Petrópolis, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.049.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.