HANNAH ARENDT E OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM CONCEITO NÃO LIBERAL DE CIDADANIA

Cesar Augusto Ramos

Resumo


O artigo tem por objetivo empreender uma análise de conceito de cidadania com base em determinados elementos da teoria política de Hannah Arendt: a liberdade, a ação, a pluralidade e o espaço público. São elementos necessários à constituição de um conceito sob a sua forma especificamente política, o qual pode ser enunciado nos seguintes termos: cidadania é a ação política de indivíduos que buscam na esfera do espaço público da pluralidade a realização da liberdade. Na sua abrangência, este conceito pode ser interpretado como uma crítica diante das deficiências da tese liberal da cidadania, corrigindo as suas limitações. Ao mesmo tempo, ele lança perspectivas de proximidade (e, também, de afastamento) com a teoria política do republicanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. O sistema totalitário. Tradução de Roberto Raposo. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1978.

______. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1979.

______. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: EDUSP, 1981.

______. Da violência. Tradução de Maria Drummond Trindade. Brasília: Ed. UnB, 1985.

______. Da revolução. Tradução de Fernando Vieira e Caio N. de Toledo. São Paulo; Brasília: Ática; Ed. UnB, 1988.

______. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Tradução de Antonio Abranches e outros. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; Ed. UFRJ, 1992.

______. A dignidade da política. Ensaios e conferências. Organização de Antonio Abranches. Tradução de Helena Martins e outros. Rio Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

______. O que é política. Organização de Ursula Ludz. Tradução de Reinaldo Guarany. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BEINER, R. Action, natality and citizenship: Hannah Arendt’s concept of freedom. In: PELCZYNSKI. Z.; GRAY, J. (Ed.). Conceptions of liberty in political philosophy. London: The Athlone Press, 1984. p. 349-375.

BERLIN, I. Dois conceitos de liberdade. In: BERLIN, I. A busca do ideal: uma antologia de ensaios. Tradução de Teresa Curvelo. Lisboa: Editorial Bizâncio, 1998. p. 243-295.

CANOVAN, M. Hannah Arendt: a reinterpretation of her political thought. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1992.

CONSTANT, B. De La liberté chez les modernes. Paris: Hachette, 1980.

D’ENTRÈVES, M. P. The political philosophy of Hannah Arendt. London: Routledge, 1994.

HABERMAS, J. O conceito do poder em H. Arendt. In: FREITAG, B.; ROUANET, S. P. (Org.). Habermas. São Paulo: Ática, 1980. p. 100-118.

KANT, I. Kritik der Urteilskraft. Herausgegeben von Wilhelm Weischedel, Werkausgabe Band X. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1994.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores).

MILL, J. S. Sobre a liberdade. Tradução de Alberto da Rocha Barros. Petrópolis: Vozes, 1991.

RAWLS, J. O liberalismo político. Tradução de João Sedas Nunes. Lisboa: Presença, 1997.

______. Justiça e democracia. Tradução de Irene A. Paternot. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

TAYLOR, C. Argumentos filosóficos. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Loyola, 2000.

WELLMER, A. Arendt on revolution. In: VILLA, D. (Ed.). The Cambridge companion to Hannah Arendt. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 2000. p. 220-241.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2257

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.