A TÉCNICA RECONSIDERADA: DO META-DISCURSO EPISTEMOLÓGICO À QUESTÃO ONTOLÓGICA

Eladio C. P. Craia

Resumo


Partindo de certas leituras atuais sobre o problema da Técnica contemporânea, impõe-se uma disjuntiva inevitável: ou o mundo pode, e será, libertado de suas limitações naturais pela ação do pensar técnico-científico, ou será, fatalmente, condenado pelo domínio de certo tipo único de manifestação do ente, isto é, o modo de ser técnico do existente. No entanto, esta oposição encobre uma afinidade íntima e essencial. Em ambos os pontos de vista, a Técnica é múltipla, porém reconhecível em seus traços fundamentais, por outro lado, ela é pensada como homogênea e totalizadora; o mundo se encontra, para bem ou para mal, destinalmente, condenado à sua regência. O objetivo do presente trabalho é indicar uma linha de abordagem diferente que possibilite superar esta condição. O horizonte geral da análise será aberto pela pergunta entorno do estatuto ontológico da Técnica, a partir dos conceitos oferecidos pela ontologia “virtual” de Gilles Deleuze. Nesse sentido, a questão nevrálgica passa por considerar, desde a filosofia deleuziana, este universo técnico, não como homogêneo e determinado por uma unidade endógena, mas como multiplicidade autodiferenciada. A noção de virtual é a peça central, em chave ontológica, para pensar que o mundo não será sepultado pela voracidade neutra e automática do modo de ser técnico, nem que o existente será docilmente configurado pela ciência e pela técnica contemporâneas. Pelo contrário, a Técnica é uma “produção” que opera pela atualização singular de um campo virtual animado internamente pela Diferença, entendida como Ser. Com Deleuze é possível afirmar que a tecnologia nada acaba, encerra, ou enclausura, uma vez que ela compõe, que se relaciona com as forças do homem. Com que novas forças, insiste Deleuze, e que nova forma surge deste composto? Por fim, que novas “máquinas” são produzidas?


Texto completo:

PDF

Referências


ALLIEZ, E. A Assinatura do Mundo: o que é a filosofia de Deleuze

e Guattari? Tradução de Maria Helena Rouanet e Bluma Villar.

Rio de Janeiro, RJ: Editora 34, 1995.

______ . Deleuze filosofia virtual. Anexo: Deleuze, G. “L’Actuel

et le Virtuelle”. Tradução de Heloisa B.S. Rocha. Rio de Janeiro:

Editora 34, 1996.

______ (org.) Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo,SP:

Editora 34, 2000.

BADIOU, A. Deleuze: o clamor do ser. Tradução de Lucy Magalháes.

Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1997.

BRÜSEKE, F. J. A técnica e os riscos da modernidade. Florianópolis:

Editora da UFSC, 2001.

BUYDENS, M. Sahara L’Esthétique de Gilles Deleuze. Lettre-

Préface de Gilles Deleuze. Paris: Philosophique J. VRIN, 1990.

CRAIA, E. A problemática ontológica em Gilles Deleuze. Cascavel:

EDUNIOESTE, 2002.

DELUZE, G. Différence et répétition. Paris: puf, 1993.

El Bergsonismo. Tradução de Luis Ferrero Carracedo. Madrid:

Cátedra, 1987a.

Foucault. Paris: Les Éditions de Minuit, 1986, a.

L’anti-Oedipe. Paris: Les Editions de Minuit, 1972.

L’immanenza: una vita... Aut Aut, n. 271-272, p. 4-8, jan./avr. 1996.

Lógica do Sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São

Paulo,SP: Perspectiva, 1998.

Guattari, F. Mille Plateaux. Paris: Les Éditions de Minuit, 1980.

______ . Qu’est-ce que la Philosophie? Paris: Les Éditions de Minuit,

Spinoza et le problème de l’expression. Paris: Les Éditions de Minuit,

HEIDEGGER, M. A questão da técnica. Cadernos de Tradução n° 2.

Tradução: Marco Aurélio Werle. São Paulo: DF/USP, 1997.

. “La cosa”. Conferencias y artículos. Tradução de Eustaquio Barjau.

Barcelona: Serbal, 1994.

LÉVY, P. O que é o Virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo,SP:

Editora 34, 1996.

As tecnologias da inteligência. Tradução de Carlos Irineu da Costa.

São Paulo,SP: Editora 34, 1993.

MITCHAM, C. Qué es la filosofía de la tecnología? Tradução de César

Cuello Nieto. Barcelona: Anthropos, 1989.

PARENTE, A. (org.). Imagem máquina. Rio de Janeiro,RJ: Editora 34,

SIMONDON, G. O indivíduo e sua gênese físico-biológica. Tradução

de Ivana Medeiros. São Paulo: 1996 a.

______ . Sobre a técno-estética. (Circulação interna). Campinas: UNICAMP,

VIRILIO, P. Velocidade e política. Tradução de Celso M. Paciornik. São

Paulo,SP: Estação Liberdade, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v18i22.2092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.