MUNDO VERDADE E ETERNO RETORNO: DA INSTITUIÇÃO À DESTITUIÇÃO DA IDÉIA

Vânia Dutra de Azeredo

Resumo


Este artigo mostra que a doutrina do eterno retorno de Nietzsche é introduzida
no conjunto da sua filosofia visando a suspender a progressão da ideia na
História da Filosofia ao introduzir no mundo a eternidade. A compreensão e
a vigência de uma eternidade imanente suplantam, simultaneamente, a
dualidade de mundos e a progressão da ideia. Assim, a doutrina do eterno
retorno, em termos de contraposição, dirige-se à filosofia de Platão, ao
Cristianismo, a Kant e ao positivismo enquanto posições que sustentam a
oposição mundo verdade/mundo aparente desde a instituição da ideia.


Texto completo:

PDF

Referências


BÍBLIA Sagrada. Novo Testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. 2. ed. Barueri: Cidade Bíblica do Brasil, 1993.

BORGES, J. L. História de la eternidad. Buenos Aires: EMECÉ, 1953.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução de Valério Rohden e Udo B.

Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LÖWITH, K. Nietzsche et sa tentative de récupération du monde. In: ______. Nietzsche. Cahiers de Royaumont. Paris: Minuit, 1967. p. 45-84.

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe (KSA). Berlin: Walter de Gruyter & Co., 1967/1978. 15 vol. (Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari).

______. Obras incompletas. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores).

______. Para além de bem e mal. Tradução Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. A gaia ciência. Tradução Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Crepúsculo dos ídolos. Tradução Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NUNES, B. O tempo dividido: cosmo e história. In: NUNES, B. (Org.). A crise do pensamento. Belém do Pará: Editora Universitária, 1994. p. 123-154.

PLATÃO. A República. Traduzido do grego por Maria Helena da Rocha

Pereira. 6. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1949.

______. Obras incompletas. Tradução de José Cavalcante de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

______. Diálogos. Tradução Carlos Alberto Nunes. Pará: Universidade Federal do Pará, 1977.

SPENCER, H. Los primeiros principios. Tradução José Irueste. 3ª ed. Madri: S. Palleja, 1905.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i27.1780

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.