Marcuse e os limites da sua utopia

Sergio Augusto Franco Fernandes

Resumo


Marcuse direciona a Freud uma crítica que diz respeito ao estatuto atribuído pela metapsicologia ao “princípio de realidade”. Verificaremos, portanto, a consistência de alguns dos seus argumentos e a ideia de um “poder-ser” implícito na sociedade moderna, de cuja ignorância, segundo o próprio Marcuse, teria nascido o pessimismo freudiano. Isso feito, buscaremos nos comentários de Alasdair MacIntyre elementos que colocam em “xeque” a utopia marcuseana, delimitando-a e impossibilitando-a de realizar-se, ao menos do ponto de vista de uma coerência discursiva. Para MacIntyre, a ideia de uma sexualidade não reprimida ou até mesmo autossublimada e liberta não faz sentido até que se responda a seguinte pergunta: O que é que realmente faremos num estado de sexualidade libertada? Para o crítico em questão, a ideia da sexualidade contemporânea estar constrangida pelas limitações de uma cultura sexual genital-monogâmica não faz sentido, até que se possa estabelecer efetivamente algum contraste com algo que seja possível realizar e que ainda não foi realizado. Entretanto, a crítica de qualquer utopia não deveria jamais desembocar na crítica do espírito utópico.

Texto completo:

PDF

Referências


FREUD, S. Formulaciones sobre los dos principios del acaecer psíquico (1911).In: FREUD, S. Obras completas. Traducción de J. L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1996a. v. XII.

FREUD, S. Tótem y tabú (1912-1913). In: FREUD, S. Obras Completas. Traducción de J. L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1996b. v. XIII.

MACINTYRE, A. As idéias de Marcuse. Tradução de Jamir Martins. São

Paulo: Cultrix, 1993.

MARCUSE, H. A noção de progresso à luz da psicanálise. In: MARCUSE, H. Cultura e psicanálise. Tradução de Wolfgang Leo Maar, Robespierre de Oliveira e Isabel Loureiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004. p. 112-138.

MARCUSE, H. Eros e civilização. Uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.

MONZANI, L. R. et al. Os limites da utopia. In: AIRES, S.; RIBEIRO, C. (Org.). Ensaios de filosofia e psicanálise. São Paulo: Mercado de Letras, 2008. p. 226-240.

PRADO JR., B. Entre o alvo e o objeto do desejo: Marcuse, crítico de Freud. In: FULGENCIO, L.; SIMANKE, R. (Org.). Freud na filosofia brasileira. São Paulo: Escuta, 2005. p. 51-69.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v23i33.1519

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.