Evasion or permanence in the profession: educational policies and social representations of teachers

Romilda Teodora Ens, Ana Maria Eyng, Maria Lourdes Gisi, Marciele Stiegler Ribas

Resumo


This paper considers the interference of changes in contemporary society in the teaching profession, especially in relation to the value attributed to teacher and his choice to continue in the profession. The research is based on the representations of teachers of elementary school regarding the choice of following or not the profession, and to do so, we take the context of teacher training in Brazil, in relation to the appreciation and professionalization of the teacher, to support the analysis of their representations. The results indicate that the representations about the profession related to permanence arise
from problems such as: devaluation, low wages, difficulties concerning students’ behaviour and lack of working conditions for practicing the profession, because low investment in education. Such aspects may be reasons that justify why there are less people interested in teaching for basic education and many more abandoning education courses. Teachers who intend to continue in the profession reveal affective reason, without a critical analysis of policy issues and lack of objective conditions of work.




Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. A. .S.; SCHEIBE, L. Formação e valorização: desafios para o PNE 2011/2020. Revista Retratos da Escola, v. 4, n. 6, p. 77-90, jan./jun. 2010. Disponível em:

view/70>. Acesso em: 15 fev. 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luis Antonio Reto e Augusto Pinheiro. Ed. rev. ampl. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso

em: 15 jan. 2013.

BRASIL. Lei n. 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 ago. 2008.

Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2013.

BRASIL. Poder Executivo. Projeto de Lei n. 8.035, de 20 de dezembro de 2010. Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020, e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, 2011. Disponível em:

. Acesso em: 15 jan. 2013.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Censo da educação básica: 2012 – resumo técnico. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013a. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2013.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Censo da educação superior 2011: resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013b. Disponível em:

. Acesso em: 15 mar. 2014.

BRASIL. Programa Brasil Alfabetizado (PBA). Brasília, 2013c. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Valorização do professor: piso salarial do magistério... Brasília, 2014. Disponível em:

content&view=article&id=20191:piso-salarial-do-magisterio-sera-reajustado--em-832-conforme-a-lei-valor-sera-de-r697&catid=211&Itemid=86>. Acesso em:10 fev. 2014.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Democracia, estado social e reforma gerencial. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 112-116, jan./mar. 2010.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES. Diretoria de Educação Básica Presencial. Relatório de gestão 2009-2011. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 8 jul. 2014.

CHARLOT, B. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez. 2008.

COSTA, W. A. da; ALMEIDA, A. M. O. Teoria das Representações Sociais: uma abordagem alternativa para se compreender o comportamento cotidiano dos indivíduos e dos grupos sociais. Revista de Educação Pública, v. 8, n. 13, p. 250-280, jan./jun. 1999.

ENS, R. T. et. al. Políticas educacionais, regulação educativa e trabalho docente: representações sociais de professores iniciantes. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 10, n. 21, p. 24-43, dez. 2013.

ENS, R. T.; GISI, M. L.; EYNG, A. M. Profissão docente em questão: tensões e desafios. In: ENS, R. T.; BEHRENS, M. A. (Org.). Formação do professor: profissionalidade, pesquisa e cultura escolar. Curitiba: Champagnat, 2010. p. 43-74.

FERREIRA JUNIOR, A.; BITTAR, M. Proletarização e sindicalismo de professores na ditadura militar (1964-1985). São Paulo: Terras do Sonhar/Edições Pulsar, 2006.

FLACH, S. F. Quanto vale o trabalho do professor? Desvelando o processo de desvalorização salarial em Ponta Grossa – PR. Práxis Educativa, v. 8, n. 1, p. 63-84, jan./jun. 2013. Disponível em: .

Acesso em: 30 jan. 2014.

GATTI, B. A. A utilização da técnica Q como instrumento de medida nas ciências humanas. Cadernos de Pesquisa, n. 6, p. 46-51, 1972.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S.; ANDRÉ, M. E. D. de. Políticas docentes no Brasil: umestado da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GUIMARÃES, J. A. Apresentação. RBPG: Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 8, Supl. 1, p. 5-9, dez. 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Dados do IBGE de 2012, considerando todas as faixas etárias. 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2013.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Sinopses Estatísticas da Educação Básica. 2012. Disponível em:

. Acesso em: 8 jul. 2014.

JODELET, D. As representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Trad. Lilian Ulup. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001. p. 17-44.

JOVCHELOVITCH, S. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes, 2008.

MACEDO, E. Identidade profissional e diretrizes curriculares de formação de professores da Educação Básica. In: LISITA, V. M. S. S; SOUSA, L. F. E. C. Políticas educacionais, práticas escolares e alternativas de inclusão escolar. Rio de Janeiro:DP&A, 2003. p. 67-94.

MINHOTO, M. A. P.; PENNA, M. G. O. Valorização do magistério ou darwinismo profissional? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 19, n. 70, p. 149-164, jan./mar. 2011.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

NÓVOA. A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OLIVEIRA, D. A. Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista, n. especial 1, p. 17-35, 2010.

PLACCO, V. M. N. S.; SOUZA, V. L. T. de. Movimentos identitários de professores nas representações da docência. In: ENS, R. T.; BEHRENS, M. A. (Org.). Políticas de formação do professor: caminhos e perspectivas. Curitiba: Champagnat, 2011.

RABELO, A. O. A remuneração do professor é baixa ou alta? Uma contraposição de diferentes referenciais. Educação em Revista, v. 26, n. 1, p. 57-87, abr. 2010.

SCHEIBE, L. Valorização e formação dos professores para a educação básica: questões desafiadoras para um novo plano nacional de educação. Educação & Sociedade, v. 31, n. 112, p. 981-1000, jul./set. 2010. Disponível em:

. Acesso em: 14 fev. 2014.

SILVA, M. V.; LIMA, I. R. S. Globalização e educação: impactos na atuação docente e na dimensão do multiculturalismo. In: SILVA, M. V.; CORBALÁN, M. A. (Org.). Dimensões políticas da educação contemporânea. Campinas: Alínea, 2009. p. 39-53.

VIEIRA, S. L. Políticas de formação em cenário de reforma. In: VEIGA, I. P. A.; AMARAL, A. L. (Org.). Formação de professores: políticas e debates. Campinas: Papirus, 2002. p. 13-46.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v14i42.6704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat