EDUCAÇÃO DO CAMPO E ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE GOIÁS: O CAMINHAR DA TEIMOSIA DE UM MOVIMENTO SOCIAL EDUCATIVO1

Claudemiro Godoy do Nascimento

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar a realidade da educação rural em Goiás, no Brasil. Mostra as dificuldades na educação rural e como era o ensino da população de camponeses. Então, nós mostraremos as alternativas entre o paradigma de educação urbano e o da educação rural. Nós sabemos porque nossa escola rural, Escola Família Agrícola de Goiás, advém desse movimento social educativo, organizado pela associação de pais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel G. Educação Básica e Movimentos Sociais. In: VV.AA. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: UnB, 1999. p. 15-52.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A Educação como Cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985a.

_______ . O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1985b. (Coleção Primeiros Passos)

CALDART, Roseli Salete. Educação em Movimento: formação de educadoras e educadores no MST. Petrópolis: Vozes, 1997.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHASSOT, Attico. Presenteísmo: uma conspiração contra o passado que ameaça o futuro. Unijuí, 1998 (mimeo.).

IGREJA CATÓLICA; CNBB. Texto Base da Campanha da Fraternidade. Brasília: CNBB, 1998. p. 55-134.

_______ . _____ . Brasília: CNBB, 2002. p. 07-111.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o séc. XXI. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FERNANDEZ, Bernardo Mançano. Por uma educação do campo. In: VV.AA. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: UnB, 1999. p. 53-70.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GOHN, Maria da Glória. Classes Sociais e Movimentos Sociais. In: REPRODUÇÃO Social, Trabalho e Serviço Social. Brasília: UnB, 1999. p. 36-54.

_____ . .Educação Não-Formal e Cultura Política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

GRAMSCI, A. A concepção dialética da história. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: UNESP, 1995.

KOSSIK, K. Dialética do Concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LAMARCHE, H. (Coord.). A agricultura familiar. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

LISITA, Cyro. Latifondiaires, violence et pouvoir: les relations avec la paysannerie e l’église dans l’État de Goias-Brésil. Paris, 1992. Thése (Doctorat em Sociologie) – Ecole des Hautes Etudes em Sciences Sociales.

LUCKÁCS, G. History and class consciousness. Londres: Merlin Press, 1971.

MARTINS, José de Souza. Capitalismo e Tradicionalismo. São Paulo: Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais, 1975.

MARX, K. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Escriba, 1968.

_______ . O Capital.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974. Livro III

MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. º 9394/96. Brasília: MEC. 1996.

PISTRAK. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1981.

SAVIANI, Demerval. A Nova Lei da Educação, LDB: trajetórias, limites e perspectivas. 6. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2000.

VV.AA. Por uma educação básica do Campo: texto-base da Conferência Nacional. Brasília: UnB, 1998.

_____ . A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: UnB, 1999.

_____ . Projeto Popular e escolas do campo. Brasília, UnB, 2000.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. O “lugar” dos rurais: o meio rural no Brasil moderno. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA, 35. , Brasília, 1997. Anais.... Brasília: SOBER, [1997.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v4i8.6626

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat