TRABALHO DOCENTE: A DINÂMICA ENTRE FORMAÇÃO, PROFISSIONALIZAÇÃO E PROLETARIZAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE

Claudia Barcelos de Moura Abreu, Sonia Regina Landini

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir como a natureza do trabalho docente e sua identidade devem ser pensadas como experiência concreta das relações sociais. Nesta discussão, é dada especial atenção às questões concernentes às condições universais e como os professores, em sua singularidade, estabelecem mediações que refletem suas reais condições de trabalho. Neste contexto, a dinâmica entre proletarização, profissionalização e formação devem ser analisadas pela ambigüidade que tem se processado historicamente. Essa reflexão nos leva a considerar, de um lado, o status do professor como necessário ao capital e, por outro lado, as reivindicações da categoria dos professores na direção de políticas que assegurem melhores condições de trabalho, identificadas na vivência cotidiana, na própria condição de exploração, na perda da autonomia, na precarização das condições de trabalho, ou seja, de suas práticas sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M . Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

______ . Relações de classe e gênero e modificações no processo de trabalho docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 60, p.3-14. fev. 1987.

BRAVERMAN, H. Trabalho a capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. 3 ed. Rio de Janeiro, 1987.

BRIGTHON LABOUR PROCESS GROUP. O processo de trabalho capitalista. In SILVA, T.Tadeu da.(org.) Trabalho, educação e prática social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

CARNOY. M. Escola e Trabalho no Estado capitalista. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1993.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1995.

CARNOY. M. Escola e Trabalho no Estado capitalista. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1993

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1995

ENGUITTA,M. F. A ambigüidade da docência: entre o profissional e a proletarização. Teoria & Educação, n.4, p.41-61, 1991.

FREITAS.L.C. . Em direção à uma Política de formação de professores. Em Aberto, n. 54, 1992.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1994

HYPÓLITO, A. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus, 1987.

LUKÁCS, G. Introdução a uma Estética Marxista: sobre a categoria da particularidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

LUKÁCS, G. Per L’Ontoligia del’Essere Sociale. Roma: Riuniti, 1981. v. 2. tomo 1.

MARX, K.. O Capital. São Paulo: Moraes, 1985. Cap. 6.

NÓVOA, A (Coord.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

PARO,V.H. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1986

PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

POULANTZAS, N. Política Power and social class¨.London:New Left Books, 1974, In: CARNOY.M. Escola e Trabalho no Estado capitalista. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1993.

SÁ, Nicanor P. Aprofundamento das relações capitalistas no interior da escola.

Caderno de Pesquisa, São Paulo, n.57, p.20-29, maio 19 86.

SANTOS, Oder J.dos. Organização do processo de trabalho docente: uma análise crítica. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 10, p. 26-30, 1989.

SAVIANI, D. Ensino público e algumas falas sobre universidade. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1984.

_____ . Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1983.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SILVA, T.T. da. O trabalho docente: um processo de trabalho capitalista? In: _____ . O que produz e o que reproduz em educação: ensayos sobre a sociología da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

SNYDERS, G. Escola,classe e luta de classes. São Paulo: Centauro, 1976. SNYDERS, G . Escola,classe e luta de classes. São Paulo: Centauro, 1976




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v4i8.6560

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat