Professores de escolas étnicas no Paraná: manter a cultura ou cumprir as leis?

Valquiria Elita Renk

Resumo


O presente artigo tem como tema o papel dos professores das escolas étnicas do Paraná. O recorte temporal situa-se desde o fim do século XIX até os anos de 1940. O objetivo geral é compreender o papel social dos professores dessas escolas, que deveriam atender as comunidades étnicas na manutenção da identidade cultural por meio da escola e ao mesmo tempo cumprir a legislação nacionalizadora. As fontes de pesquisa são os documentos escolares das ex-escolas étnicas, os relatórios de governo, a legislação escolar, as correspondências de governo e também os depoimentos de ex-alunos que frequentaram essas escolas no período estudado. A contextualização dos documentos revela diferentes olhares sobre a organização escolar e do ofício do magistério. A partir do método de análise histórica, as fontes serão confrontadas e possibilitarão compreender o papel dos professores ante a resistência das escolas à nacionalização. As fontes permitem fazer inferências sobre a ação do Estado fiscalizando e inspecionando as escolas para homogeneizar o ensino por meio do currículo único. Este estudo contribui para desvelar como as escolas e os professores encontravam mecanismos de burlar a legislação, manter a identidade cultural, até a nacionalização compulsória e o fechamento das escolas étnicas, em 1938. 

Texto completo:

PDF

Referências


A. K. Nacionalização do ensino. Gravação digital. Curitiba, 13 mar. 2008. Entrevista concedida a Valquiria Elita Renk.

ARQUIVOS DO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ DE CURITIBA. Curitiba: colégio Vicentino São José, 2009.

BARTH, F. Ethnic groups and boudaries. London: George Allen and Unwin, 1969.

BENCOSTTA, M. L. Desfiles patrióticos: memória e cultura cívica dos grupos escolares em Curitiba (1903-1971). In: VIDAL, D. (Org.). Grupos escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas: Mercado de Letras, 2005. p. 299-321.

BRASIL. Decreto n. 6.149 de, 19 de fevereiro de 1938. Regulamenta o Código de Ensino de 1938 e as normas educacionais do Paraná. Diário Oficial [da] União, Curitiba, n. 1775, ano 8, p. 1-2, 1938.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1996.

CUNHA, M. C. da. Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense; EDUSP, 1986.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GLUCHOWSKI, K. Os poloneses no Brasil: subsídios para o problema da colonização polonesa no Brasil. Porto Alegre: Rodycz & Ordakowski, 2005.

GUÉRIOS, P. R. Memória, identidade e religião entre os imigrantes rutenos e seus descendentes no Paraná. 2007. 299 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2007.

HALL, S.; SOVIK, L. R. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2003.

HORBATIUK, P. Imigração ucraniana no Paraná. Porto União: Uniporto, 1989.

P. L. Nacionalização do ensino. Gravação digital. Curitiba, 8 jan. 2009.

Entrevista concedida a Valquiria Elita Renk.

PARANÁ. Correspondência de Governo. Ofícios e Requerimentos – anos 1912, 1913, 1916 e 1917. Curitiba: Departamento Estadual de Arquivo Público.

PARANÁ. Decreto n. 17, de 9 de janeiro de 1917. Aprova o Código de Ensino. In: PARANÁ. Coleção de Decretos e Regulamentos de 1917. Curitiba: Typ. D’A República, 1917.

PARANÁ. Lei n. 2005, de 9 de abril de 1920. Código de Ensino. Curitiba: Typ. D’A República, 1920.

PARANÁ. Lei n. 2157, de 8 de abril de 1922. Código de Ensino. Curitiba: Typ. D’A República, 1922.

PARANÁ. Relatório de Governo apresentado ao Secretário Geral do

Estado, pelo professor César P. Martinez. Curitiba: DEAP, 1921. Arquivo Público do Paraná.

PARANÁ. Relatório de Governo apresentado ao Secretário Geral do

Estado, pelo Professor César P. Martinez. Curitiba: DEAP, 1923. Arquivo público do Paraná.

PARANÁ. Relatório de governo apresentado ao Secretário Geral do

Estado, pelo professor César P. Martinez. Curitiba: DEAP, 1924. Arquivo Público do Paraná.

PARANÁ. Relatório de governo apresentado ao Secretário Geral do

Estado, pelo professor Lysimaco Ferreira da Costa. Curitiba: DEAP, 1925. Arquivo Público do Paraná.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. As teorias da etnicidade. São Paulo: Ed. da UNESP, 1998.

SANGALLI, A. Colégio Vicentino São José - 1904-2004. Curitiba: Colégio Vicentino São José, 2007.

SOUZA, M. C. C. C. de. Escola e memória. Bragança Paulista: EDUSF, 2000.

VIÑAO FRAGO, A. Tiempos escolares, tiempos sociales. Barcelona: Ariel, 1998.

VINCENT, G. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educar em Revista, n. 33, p. 7-47, 2001.

WACHOWICZ, R. (Org.). As escolas da colonização polonesa no Brasil. In: COMUNIDADE BRASILEIRA-POLONESA, 2., 1970, Curitiba. Anais...Curitiba: Comunidade Brasileira-Polonesa, 1970. p. 13-110.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.7216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat