Formação inicial de professores da educação básica no Brasil: trajetória e perspectivas

Rosa Oliveira Marins Azevedo, Evandro Ghedin, Maria Clara Silva-Forsberg, Amarildo Menezes Gonzaga

Resumo


Discute-se a formação inicial de professores da educação básica, procurando evidenciar as exigências dessa formação, bem como a formação oferecida e, consequentemente, o papel do professor no contexto da escola. É um estudo, numa perspectiva histórico-crítica, que compõe o referencial teórico de uma pesquisa de doutorado, no qual se partiu dos modelos de formação oferecidos aos professores no Brasil, fazendo uma breve trajetória dessa formação desde as primeiras iniciativas institucionalizadas até os dias atuais, procurando apontar algumas perspectivas. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa documental, a partir da produção científica publicada em livros, trabalhos apresentados em anais de evento e revistas da área educacional, além de dissertações e teses. A partir das leituras, foram elaborados fichamentos e resenhas que possibilitaram direcionar as discussões, assumindo-se a hermenêutica crítica como horizonte metodológico. Com isso, pode- -se afirmar que nos últimos 40 anos a formação de professores tornou-se uma temática central nas discussões no cenário acadêmico brasileiro, com mudanças significativas nas exigências da formação e no papel do professor, no entanto, a formação oferecida permanece sem alterações significativas. Como perspectiva, o cenário atual aponta a necessidade urgente de além de pensar a formação de dentro da profissão, organizá-la a partir de programas de desenvolvimento profissional docente e reconstrução do espaço acadêmico de formação, articulando-a ao debate sociopolítico da educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Prefácio. In: MACIEL, L. S.; SHIGUNOV NETO, A. Formação de professores: passado, presente e futuro. São Paulo: Cortez, 2004. p. 9-13.

ANDRÉ, M. (Org.). Formação de professores no Brasil (1990-1998). Brasília: MEC; INEP; COMPED, 2002. (Série Estado do conhecimento, n. 6).

AZEVEDO, R. O. M. Ensino de ciências e formação de professores: diagnóstico, análise e proposta. Manaus: Universidade do Estado do Amazonas, 2008.

BALZAN, N. C.; PAOLI, N. J. Licenciaturas: o discurso e a realidade. Ciência e Cultura, v. 2, n. 4 p. 147-151, 1988.

BELLOCHIO, C. R.; TERRAZAN, E.; TOMAZETTI, E. Profissão docente: algumas dimensões e tendências. Educação, v. 29, n. 2, p. 17-32, 2004.

BRASIL. Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, 27 dez. 1961. p. 11429. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2010.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer n. 262, de 1962. Fixa os currículos mínimos e a duração dos cursos superiores. Brasília, 1962a. Disponível em:

. Acesso em: 11 ago. 2011.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer n. 292, de 14 de novembro de 1962. Fixa a carga horária das matérias de formação pedagógica. Brasília, DF, 14 nov. 1962b. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2011.

BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, 28 nov. 1968. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2010.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de primeiro e segundo graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, 12 ago. 1971. p. 6377. Disponível em:

action?id=75576>. Acesso em: 23 jul. 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes

e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa

do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, 23 dez. 1996. p. 27833. Disponível em:

. Acesso em: 23 jul. 2009.

BRZEZINSKI, I. Trajetória do movimento para as reformulações curriculares dos cursos de formação de profissionais da educação: do Comitê (1980) à ANFOPE (1992). Em Aberto, v. 54, n. 12, p. 75-86, 1992.

BRZEZINSKI, I. GT 8: a pesquisa sobre formação de profissionais da educação em 25 anos de história. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO – ANPED, 30., 2007, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPED, 2007. p. 1-15.

BRZEZINSKI, I.; GARRIDO, E. Análise dos trabalhos do GT Formação de professores: o que revelam as pesquisas do período 1992-1988. Revista Brasileira de Educação, n.18, p. 82-100, 2001.

BRZEZINSK, I.; GARRIDO, E. Formação de profissionais da educação (1997-2002). Brasília: MEC; INEP; COMPED, 2006. (Série Estado do conhecimento).

BRZEZINSKI, I.; GARRIDO, E. Trabalho docente: mapeando a pesquisa em teses e dissertações brasileiras. Educação & Linguagem, ano 10, n. 15, p. 60-81, 2007.

CACHAPUZ, A. et al. (Org.). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & Educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CANDAU, V. M. A formação de educadores: uma perspectiva multidimensional. Em Aberto, v. 1, n. 8, p. 19-21, 1982.

CANDAU, V. M. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1984.

CANDAU, V. M. Novos rumos da licenciatura. Brasília: INEP, 1987.

CANDAU, V. M.; LELIS, I. A relação teoria-prática na formação do educador. Tecnologia Educacional, n. 55, p. 12-18, 1983.

CATANI, D. B. et al. (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CHAPANI, D. T. Políticas públicas e história de formação de professores de Ciências: uma análise a partir da teoria social de Habermas. 2010. 421 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2010.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2006.

FELDENS, M. G. F. Educação dos professores: tendências, questões e prioridades. Tecnologia Educacional, n. 61, p. 16-26, 1984.

FIORENTINI, D.; SOUZA Jr., A. J.; MELO, G. F. A. Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos In: GERALDI, C. (Org.). Cartografias do trabalho docente: Professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras; ALB, 1998. p. 307-335.

FREITAS, H. C. L. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1203-1230, 2007.

GATTI, B. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, 2010.

GIL-PÉREZ, D. et. al. A educação científica e a situação do mundo: um programa de atividades dirigido a professores. Ciência & Educação, v. 9, n. 1, p. 123-146, 2003.

GUEDES, N. C. História e construção da profissionalização nos cursos de licenciaturas. In: CONGRESSO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2., 2002, Natal. Anais... Natal: Congresso de História da Educação, 2002. p. 145-146.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 129-150.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU, 1987.

LIMA, E. F. Formação de professores, passado, presente e futuro: o curso de Pedagogia. In: MACIEL, L. S. B.; SHIGUNOV NETO, A. Formação de professores: passado, presente e futuro. São Paulo: Cortez, 2004. p. 15-34.

LÜDKE, M. Avaliação institucional: formação de professores para o ensino fundamental e médio (as licenciaturas). Cadernos CRUB, v. 1, n. 4, p. 5-96, 1994.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. O trabalho docente nas páginas de educação & sociedade em seus (quase) 100 números. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1179-1201, 2007.

MALDANER, O. A. Ensinar e aprender na área das ciências da natureza e suas tecnologias com ênfase em processos interativos de significação cultural. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO – ENDIPE, 14., 2008, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ENDIPE, 2008. p. 548-563.

MARTINS, P. L. O. Didática. Curitiba: IBPEX, 2008.

MELLO, G. N. Magistério de 1º grau: da competência técnica ao compromisso político. São Paulo: Cortez, 1982.

MENEZES, L. C. Formar professores: tarefa da universidade. In: CATANI, D. B. et al. (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 115-125.

NÓVOA, A. Tendências atuais na formação de professores: o modelo universitário e outras possibilidades de formação. In: CONGRESSO ESTADUAL PAULISTA SOBRE FORMAÇÃO DE EDUCADORES, 11., 2011, Águas de Lindoia. Anais... Águas de Lindoia: Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, 2011.

NUNES, C. M. F. Saberes docentes e formação de professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, v. 22, n. 74, p. 27-42, 2001.

PEREIRA, C. W. (Org.). Educação de professores na era da globalização: subsídios para uma proposta humanista. Rio de Janeiro: Nau, 2000.

PEREIRA, J. E. D. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, v. 20, n. 68, p. 109-125, 1999.

PEREIRA, J. E. D. Formação de professores: pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

REIS Jr., L. P.; CASTRO, S. M. V. Panorama da pesquisa em formação de professores: a produção em representações sociais e método (auto) biográfico nos últimos cinco anos. ENCONTRO DE PESQUISA EDUCACIONAL DO NORTE E NORDESTE, 20., 2011, Manaus. Anais... Manaus: EPENN, 2011. p. 1-12.

ROITMAN, I. Educação científica: quanto mais cedo, melhor. Brasília: RITLA, 2007.

SEVERINO, A. J. A formação e a prática do professor em face da crise atual dos paradigmas educacionais. Ciência & Opinião, v. 1, n. 2/4, p. 15-31, 2004.

SEVERINO, A. J. Formação de professores e a prática docente: os dilemas contemporâneos. In: PINHO, S. Z. Formação de educadores: dilemas contemporâneos. São Paulo: Ed. da UNESP, 2011. p. 3-14.

SILVA, C. S. B. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. Campinas: Autores Associados, 1999.

SIMÕES, R. H. S.; CARVALHO, J. M. Formação inicial de professores: uma análise dos artigos publicados em periódicos nacionais. In: ANDRÉ, M. (Org.). Formação de professores no Brasil (1990-1998). Brasília: MEC; INEP; COMPED, 2002. p. 161-201. (Série Estado do conhecimento, n. 6).

TARDIF, M. A ambiguidade do saber docente nas reformas relativas à formação universitária para o magistério. Vertentes, n. 15, p. 7-21, 2000.

WEBER, S. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, v. 24, n. 85, p. 1225-1154, 2003.

ZANCAN, G. T. Educação científica: uma prioridade nacional. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 3-7, 2000.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.7214

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat