Pesquisa e formação de professores: um intrincado e instigante desafio

Iône Inês Pinsson Slongo, Maria dos Anjos Lopes Viella, Nadir Castilho Delizoicov, Ireno Antônio Berticelli

Resumo


Considerando a pesquisa um componente fundamental à formação de professores, este texto apresenta resultados de investigação2 realizada com professores orientadores de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs), das licenciaturas ofertadas pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó). O objetivo foi investigar o emprego do termo pesquisa pelos docentes orientadores, bem como o valor formativo que atribuem a esta atividade realizada na formação inicial de professores da educação básica. Utilizou-se o questionário para a obtenção dos dados. A análise dos dados fornecidos por 30 docentes que integraram a amostra indica que para eles, não estão suficientemente claros os critérios que definem o que é pesquisa, confundindo-a, por vezes, com ensino; há um silêncio entre os professores orientadores quando se trata da socialização dos resultados das pesquisas realizadas com os acadêmicos. Por outro lado, os professores reconhecem que há um conjunto de habilidades e atitudes fundamentais à atuação docente, que são conquistadas pelos alunos que participam dos trabalhos de pesquisa (TCCs), tais como: a qualificação da leitura e da escrita, a capacidade de questionamento e análise crítica, autonomia e pré-disposição para a mudança, além de uma aproximação com a pós-graduação. Recomenda-se ouvir dos futuros professores a forma como avaliam as possibilidades e limitações de sua formação e desta iniciação na pesquisa, suas queixas e propostas e, ainda, ouvir dos professores orientadores o tipo de formação para a pesquisa que está sendo concretamente viabilizado na instituição.
 

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. Análise de pesquisa sobre formação de professores: um exercício coletivo. Psicologia da Educação, v. 10/11, p. 139-153, 2001.

BEILLEROT, J. A “Pesquisa”: esboço de uma análise. In: ANDRÉ, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 3. ed. Campinas: Papirus, 2001. p. 71-90.

CHARLOT, B. Formação de professores: a pesquisa e a política educacional. In: GARRIDO, S. G.; GHEDIN, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2006. p. 89-110.

FAVA-DE-MORAES, F.; FAVA, M. Iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 73-77, 2000.

GATTI, B. Formação de professores, pesquisa e problemas metodológicos. Contrapontos, v. 3, n. 3, p. 381-392, 2003.

LEFRANÇOIS, R. Stratégies de recherche en sciences sociales: applications à la gérontologie. Montréal: Université de Montréal, 1992.

LENOIR, Y. Pesquisar e formar: repensar o lugar e a função da prática de ensino. Educação & Sociedade, v. 27, n. 97, p. 1299-1325, 2006.

LÜDKE, M. A pesquisa e o professor da escola básica: que pesquisa, que professor. In: CANDAU, V. M. F. (Org.). Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (ENDIPE). Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 101-114.

LÜDKE, M. (Coord.). O professor e a pesquisa. 2. ed. Campinas: Papirus, 2001a.

LÜDKE, M. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: ANDRÉ, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 3. ed. Campinas: Papirus, 2001b. p. 27-54.

LÜDKE, M. O que conta como pesquisa? São Paulo: Cortez, 2009.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2004.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2006. p. 12-52.

SÁNCHEZ GAMBOA, S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos, 2007.

ZEICHNER, K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. de A. (Org.). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 207-236.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.7200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat