PROFESSORES NÃO HABILITADOS E OS PROGRAMAS ESPECIAIS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A TÁBUA DE SALVAÇÃO OU A DESCARACTERIZAÇÃO

Laurizete Ferragut Passos, Neusa da Silva Cardoso de Oliveira

Resumo


O presente trabalho busca contribuir para as discussões sobre as políticas de formação de professores e das diferentes modalidades de formação que vêm sendo implementadas no país a partir da década de 1990. Tomou-se para o estudo o Programa Especial de Formação de Professores e os dados referem-se à pesquisa desenvolvida num curso da área de matemática e funcionando na capital de um dos Estados mais desenvolvidos do país – a cidade de São Paulo. A sala de aula estudada compunha-se de alunos bacharéis de diferentes áreas, como arquitetos, administradores, engenheiros e parte deles já atuando como professores de matemática horária pequena e reduzidos encontros semanais. Buscou-se, então, investigar esse espaço de formação docente a partir do olhar dos alunos que o cursaram tomando, para isso, uma análise de suas percepções e motivações para o ingresso e buscando verificar também o funcionamento do curso e analisar seu papel em relação à possível descaracterização da profissão docente.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Trabajo, ensenanza y discriminación sexual In: POPKEWITZ, T. (Org.). Formación del professorado: tradición, teoria y práctica. Valência: Universidade de Valência, 1990. p. 55-78.

ARANHA, WELLINGTON L. A. Professores eventuais nas escolas estaduais paulista: ajudantes de serviço geral da educação. Araraquara: Unesp, 2007. (Mimeo).

BRASIL. Presidência da República. Lei 9394/96, de 20/12/1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, ano 134, n. 248, p. 27833-41, dez. 1996,

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CP no 2, de 26 de junho de 1997. Que dispõe sobre os Programas Especiais de Formação Pedagógica de Docente para as disciplinas do currículo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio e da educação profissional em Nível Médio. Relator: Silke Weber. Brasília: CNE, 1997.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Parecer CNE/CP no 25 de 02 de outubro de 2001. Que dispõe sobre os Programas Especiais de Formação Pedagógica de Docente para as disciplinas do currículo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio e da Educação Profissional em Nível Médio. Relator Silke Weber: CNE, 2001.

CANDAU, Vera Maria Ferrão (Coord.). Novos rumos da licenciatura. Brasília: INEP, 1989.

CUNHA, M. I. Formatos avaliativos e concepção de docência. Campinas: Autores Associados, 2005.

DIAS-DA-SILVA, M. H. F. Políticas de formação de professores no Brasil: as ciladas da reestruturação das licenciaturas Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 381-406, jun/dez 2005.

FLORES, M. A. Dilemas e desafios na formação de professores. In: MORAES, M. C.; PACHECO, J. A.; EVANGELISTA, M. O. (Org.). Formação de professores: perspectivas educacionais e curriculares. Porto: Porto, 2003. cap. 7, p. 127-160.

FREITAS, H. C. L. A (nova) política de Formação de Professores: a Prioridade Postergada. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p.1203-1230, Especial –out. 2007.

GIMENO, J. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. Porto: Porto, 1991. p. 93-124.

LINHARES, C. Professores entre reformas escolares e reinvenções educativas. In: LINHARES, C. (Org.). Os professores e a reinvenção da escola: Brasil e Espanha. São Paulo: Cortez, 2001. p. 137-174.

LINHARES, C.; SILVA, W. C. Formação de professores: travessia crítica de um labirinto legal. Brasília: Plano, 2003.

LOURENCETTI, G. C. Mudanças sociais e reformas educacionais: repercussões no trabalho docente. 2004. 158 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara, 2004.

LÜDKE, M. Avaliação institucional: formação de docentes para o ensino fundamental e médio (As Licenciaturas). Estudos e Debates, Brasília, n. 19, p. 137-196, maio. 1997.

MAUÉS, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 89-117, mar. 2003.

MICHELS, M. H. Gestão, formação docente e inclusão: eixos da reforma educacional brasileira que atribuem contornos à organização escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 406-423, set./dez. 2006

PATINHA, V. A. Professor não-habilitado: um sinal da crise na educação. 1999. 212 f. Tese (Doutorado em Educação: História e Filosofia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

SCHWARTZMAN, S. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2005.

SILVA, Waldeck Carneiro da. Universidade e sociedade no Brasil. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

WARDE, M. J. Algumas reflexões sobre Licenciaturas e Pedagogia. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 20, p. 1262-1264, 1985.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v8i23.3985

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat