Representações sociais do trabalho em tensão: narrativas de agentes e professores de Educação Infantil

Raquel Garcia Braga de Lima, Rita de Cássia Pereira Lima

Resumo


O estudo investigou representações sociais de agentes e professores de Educação Infantil a respeito do trabalho que desenvolvem nesse segmento educacional. A Teoria das Representações Sociais (TRS), em diálogo com a abordagem (auto)biográfica, enfatizando narrativas de vida, foi o arcabouço teórico-metodológico do estudo.  A pesquisa foi desenvolvida em uma creche localizada na zona norte do Rio de Janeiro e envolveu dezesseis mulheres, oito agentes e oito professoras. Os dados foram produzidos a partir de entrevistas/conversa, analisadas com apoio da análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram que, para os dois grupos, a natureza do trabalho é a mesma. No entanto, agentes reivindicam o reconhecimento da categoria como professoras e estas, apesar de reconhecerem que realizam as mesmas tarefas, acreditam terem maior responsabilidade que as agentes junto às demandas da direção da instituição e da Secretaria Municipal de Educação. Esta diferença está na origem de tensões vivenciadas pelos dois grupos em seu cotidiano de trabalho. As narrativas demonstraram que as histórias de vida são basilares à construção e compreensão das representações sociais dos grupos e revelaram que a tensão velada reforça a dicotomia do binômio cuidar-educar.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.20.066.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat