Por que Black Mirror dá muito o que pensar?

Lucia Santaella, Martha Gabriel

Resumo


Já na sua primeira temporada, a série Black Mirror ganhou grande popularidade. As razões para isso são muitas. Entre elas, vale a pena destacar a maneira distópica com que a narrativa desenvolve as questões relativas ao futuro das tecnologias a partir de sinais que já se deixam ver no presente. Para isso, os episódios fazem uso da hipérbole, ou seja, o exagero no tratamento dos temas escolhidos. A internet está repleta de sites e blogs que comentam e buscam as interpretações mais justas para cada um dos episódios que muitas vezes se engendram de maneira bastante engenhosa. O objetivo deste artigo é comparar a exacerbação a que a série conduz os temas tratados com a estratégia composicional dos contos de terror de Edgar Allan Poe. Com isso, pretende-se evidenciar um dos pontos mais fundamentais da montagem narrativa da série de modo a subsidiar sua utilização em contextos educacionais.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.19.062.DS01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat