Políticas públicas, estado e gestão escolar no Brasil: compassos e descompassos

Maria de Lourdes Pinto de Almeida, Elson Bastos Pereira

Resumo


A história humana nas transformações da sociedade contemporânea é marcada por descontinuidades apontadas através de inúmeras análises de estudiosos de cada tempo que tentam interpretar a realidade para apontar caminhos para a transformação. Sendo assim, as transformações hodiernas da contemporaneidade fazem surgir sem precedentes uma crise do modelo societário marcado por mudanças na experiência da vida humana.esse contexto, a questão é de como a educação poderá ter um papel decisivo enquanto política pública para novos processos de gestão escolar que estejam organicamente articuladas com a construção de novos processos sociais voltados para a humanização, a ética e a novos paradigmas quanto a convivência humana? Frente às aberturas proporcionadas pela própria LDB, podemos afirmar que a questão da gestão poderá ter modificações quantitativas e qualitativas e que a implementação destas modificações depende, em grande parte, do entendimento que os gestores têm de seu papel. Sabemos que as ações que podem e devem ocorrer no seio das instituições só terão repercussão se a escola, e seus agentes, modificarem o olhar para o seu papel quanto à formação do aluno e, por conseguinte, modificar a organização e estruturação das atividades curriculares em seu Projeto Pedagógico. Nosso objetivo é debater a gestão, procurando superar, por meio de uma outra cultura de formação do gestor, a falta de referencial teórico em aspectos fundamentais da sociedade, da civilização e da cultura. Podemos dizer ainda, que as perspectivas atuais estão mais abrangentes e englobam aspectos de totalidade na formação dos gestores.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p. Disponível em: . Acesso em: 10 abril 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 248, 23 dez. 1996. Disponível em . Acesso em: 28 mar. 2014.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo.

Tradução Tomaz Tadeu da Silva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GENTILI, P. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

GRAMSCI, A. Intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

IANNI, O. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1996.

LÜCK, H. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

MÈSZÁROS, I. Educação para além do capital. Tradução Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2005.

SAVIANI. D. Escola e democracia. 31. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.047.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat