Educação para a justiça social, agentes insurgentes e a crise do instituído

Lindomar Wessler Boneti

Resumo


Este texto tem como objetivo analisar uma problemática típica da contemporaneidade, envolvendo o universo social e, explicitamente, o escolar. Trata-se de uma tensão entre a expressão do mundo da vida, expressa pela insurgência e transgressão, e o instituído (o conjunto de regras, normas e valores). Argumenta-se que esta tensão se explica pelo distanciamento entre a epistemologia do instituído, a qual não contempla o mundo da vida, e, portanto, não atribui racionalidade à expressão da insurgência e da transgressão. Esta tensão pode se encontrar justamente no descompasso entre a expressão do ser, da emoção, do desejo, do querer, do sonho e a epistemologia do instituído. Isto é, a epistemologia do instituído continua assentado na razão moderna, a qual distancia-se do mundo da vida considerando apenas racional a obediência às regras e normas instituídas e a capacidade de evolução. Entende-se que uma educação comprometida com a justiça social não comporta desvincular da sua institucionalidade a expressão da vida no mundo real.

Texto completo:

PDF

Referências


ANSART, P. Sociologie de Saint-Simon. Paris: Presses Universitaires, 1970.

ARENDT, H. A Condição Humana, 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

BRONOWSKI, J. As origens do conhecimento e da imaginação. Brasília: Editora

Universidade de Brasília, 1978.

CONDORCET, J.A.N. Esboço de um quadro histórico dos Progressos do Espírito Humano. Campinas: Unicamp, 2004.

CUCHE, D. A Noção de Cultura nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC, 2002.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil, 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culuras. Rio de Janeiro : LTC, 1989.

GRINEVALD, J. Science et développement: esquisse d´une approche socio-épistémologique: In : La pluralité des mondes – Cahier de l´I.E.D.I. Genebra e Paris: P.U.F. 1975.

HABERMAS, J. Théorie de l´agir communicationnel, T. 1 e T 2. Paris: Fayard, 1987.

HABERMAS, J. Mudança Estrutural da Esfera Pública: Investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HABERMAS, J. Técnica e ciência como “ideologia”. Lisboa: Edições 70, 2001.

HOBBES, T. Leviatã, ou, Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil.

São Paulo: M. Claret, 2002.

MARSHALL, T. Cidadania e Classe Social. Brasília: Fundação Projeto Rondon,

MATOS, O. C. F. A Escola de Frankfurt. São Paulo: Editora Moderna, 1995.

MOTA, C. G. Ideologia da Cultura Brasileira. São Paulo: Ática, 1980.

SANTOS, B S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Porto: Afrontamento, 1987.

TAVARES DOS SANTOS, José Vicente. Os Novos Processos Sociais Globais e Violência. Revista São Paulo em Perspectiva, v. 13, n. 3, jul/set. 1999. Disponível em: . Acesso: 19 out. 2015.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.047.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat