Dretske e o problema dos qualia

João Antonio de Moraes, Maria Eunice Quilici Gonzalez

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar e discutir a sugestão de Fred Dretske (1995) para analisar o problema dos qualia. Tal problema, caro à Filosofia da Mente, ficou conhecido pela discussão desenvolvida por Thomas Nagel em seu clássico artigo What is it like to be a bat. Nesse artigo, Nagel (1974) postulou a impossibilidade de se conhecer, em perspectiva de terceira-pessoa, os aspectos da experiência humana. Ele considera que, mesmo após as descrições objetivas da experiência de um sujeito, escapariam ainda aspectos qualitativos, fundamentais para se caracterizar os qualia. A partir de sua Tese Representacionista da mente, Dretske argumenta que seria possível dissolver esse problema se admitirmos que a mente é a face representacional do cérebro, a natureza dos qualia seria, assim, representacional. Nesse contexto, os fatos mentais relacionados às experiências seriam fatos representacionais: se conhecermos a natureza desses fatos representacionais conheceremos também a experiência do sistema que a representa. Diante de tal entendimento, discutimos em que medida a proposta dretskeana constitui (ou não) uma alternativa ao problema dos qualia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANTES, P. Naturalismo em filosofia da mente. In: FERREIRA, A.; GONZALEZ, M. E. Q.; COELHO, J. G. (Org.). Encontro com as ciências cog¬nitivas. Marília: Ed. da Unesp, 2004. p. 5-37. v. 4.

ADAMS, F. The informational turn in philosophy. Minds and machines. Netherlands: Kluer Academic Publishers, 2003. p. 471-501. v.13.

BLOCK, N. Inverted earth. Philosophical Perspectives, v. 4, p. 53-79, 1990. doi:10.2307/2214187.

CANAL, R.; MORAES, J. A. Chalmers e Searle nos estudos da consciência: algum avanço? Ciências e Cognição, v. 14, n. 2, p. 262-275, 2009.

CHALMERS, D. J. Facing up to the problem of consciousness. Journal of Consciousness Studies, n. 2, p. 200-219, 1995.

CHALMERS, D. J. The conscious mind. Oxford: Oxford University Press, 1996.

DENNETT, D. Kinds of minds. Basic books: New York, 1996.

DESCARTES, R. Discurso do método. In: DESCARTES, R. Obras escolhidas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1973. p. 39-103.

DRETSKE, F. Knowledge and the flow of information. Oxford: Blackwell Publisher, 1981.

DRETSKE, F. Naturalizing the mind. Cambridge: MIT Press, 1995.

GONZALEZ, M. E. Q.; BROENS, M. C.; MORAES, J. A. A virada informacio¬nal na Filosofia: alguma novidade no estudo da mente? Revista de Filosofia Aurora, v. 22, n. 30, p. 137-151, jan./jun, 2010.

GONZALEZ, M. E. Q.; MORAES, J. A. Complexidade e privacidade infor¬macional: um estudo na perspectiva sistêmica. In: GONZALEZ, M. E. Q.; PELLEGRINI, A. M.; ANDRADE, R. C. S. (Org). Auto-organização: estudos interdisciplinares. Campinas: Ed. da Unicamp. Coleção CLE. (No prelo).

HEIL, J. Filosofia da mente? uma introdução contemporânea. Lisboa: Inst. Piaget, 2001.

LEVINE, J. Materialism and Qualia: the explanatory gap. Pacific Philosophical Quarterly, v. 64, p. 354-361, 1983.

NAGEL, T. What is it like to be a bat. 1974. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2009.

PEACOCKE, C. Sense and content. Oxford: Oxford University Press, 1983.

PLACE, U. T. Is consciousness a brain process?. 1956. Disponível em: . Acesso em: 4 abr 2011;

SEARLE, J. Intentionality. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

TEIXEIRA, J. F. O que é filosofia da mente. 1994. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2011.

TYE, M. Qualia. Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2007. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2011.




DOI: https://doi.org/10.7213/revistadefilosofiaaurora.7776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.