Biologização do ser moral em Hans Jonas

Anor Sganzerla

Resumo


A responsabilidade enquanto princípio ético proposta por Hans Jonas representa uma das reflexões morais indispensáveis à civilização tecnológica. Ao ampliar o universo moral também para a natureza extra-humana, e sua opção em recorrer à biologia como fundamento para o princípio responsabilidade, facilitou a associação do pensador com a moral naturalista. A tese aqui apresentada é de que o autor, embora recorra à biologia, não defende uma moral naturalista, afastando-se assim do que ficou conhecido como falácia naturalista. O “novo” da filosofia de Jonas é que o dever fundamenta-se de modo ontológico, por isso a responsabilidade torna-se um dever ontológico e não moral: o homem tem que ser responsável porque ele é responsável ontologicamente. Não se trata de extrair uma ética da ontologia, pois a ética está contida no fato primordial da vida, visto que o dever ser está inserido no próprio Ser, o que faz Jonas usar da ontologia presente na natureza como fundamento da ética. Por ser ontológica e não racional, a liberdade não é um privilégio humano. Reinserido na natureza, o homem reafirma-se numa espécie de ontobiologia e sua proposta classifica-se como uma biologização do ser moral.

Texto completo:

PDF

Referências


APEL, K. O. Ética e responsabilidade: o problema da passagem para a moral pós-convencional. Trad. Jorge Telles Menezes. Lisboa: Instituto Piaget, 2007;

APEL, K. O. Estudos de Moral Moderna. Petrópolis: Vozes, 1994;

COMÍN, I. G. Introducción a la edición española. In: JONAS, H. Hans Jonas: poder o impotencia de la subjetividad. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2005. p. 13-70. (Coleção Pensamento Contemporâneo);

DIAS, P. A. Hans Jonas y el principio de responsabilidad: del optimismo científico- técnico a la prudencia responsable. 2007. 381 f. Tesis de doctorado. Departamento do Filosofía - Universidad de Granada, 2007;

FROGNEUX, N. Hans Jonas ou la vie dans le monde. Bruxelles: De Boeck Université, 2001;

GODOY, L. S. Hans Jonas e a responsabilidade do homem frente ao desa¬fio biotecnológico. 2009. 468 f. Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais, 2009;

HOTTOIS, G.; PINSART, M. G. Uma análise critica do neo-finalismo na filo¬sofia de Hans Jonas. In: HOTTOIS, G.; PINSART, M-G. (Org.). Hans Jonas: nature et responsabilité. Paris: Vrin, 1993. (Collection Annales de L’Institut de Philosophie de L’Université Livre de Bruxelles);

HUME, D. Tratado da natureza humana. São Paulo: Ed. da UNESP, 2001;

JONAS, H. Técnica, medicina y ética: la práctica del principio responsabili¬dad. Barcelona: Paidós, 1997;

JONAS, H. Pensar sobre Dios y otros ensayos. Barcelona: Helder, 1998;

JONAS, H. La gnosis y el espíritu de la antigüedad tardía: de la mitología a la filosofía mística. Valencia: Institución Alfons el Magnànim, 2000;

JONAS, H. Más acerca del perverso fin y otros diálogos y ensayos. Madrid: Catarata, 2001. (Colección Clásicos del Pensamiento Crítico);

JONAS, H. La religión gnóstica: el mensaje del Dios extraño y loscomienzos del cristianismo. Madrid: Editorial Siruela, 2003;

JONAS, H. O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Petrópolis: Vozes, 2004;

JONAS, H. Hans Jonas: poder o impotência de la subjetividad. Barcelona: Paidós, 2005. (Coleção Pensamento Contemporâneo);

JONAS, H. Memorias. Madrid: Editorial Losada, 2005;

JONAS, H. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civiliza¬ção tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto, PUC-Rio, 2006;

JONAS, H. Matéria, espírito e criação: dados cosmológicos e conjecturas cos¬mogônicas. Petrópolis: Vozes, 2010;

MOORE, G. E. Principia ethica. São Paulo: Editora Ícone, 1998;

OLIVEIRA, M. A. Ética, direito e democracia. São Paulo: Paulus, 2010;

RICOEUR, P. A religião dos filósofos. São Paulo: Loyola, 1996;

THEIS, R. Jonas: habiter le monde. Paris: Edicions Michalon, 2008;

WOLIN, R. Los hijos de Heidegger: Hanna Arendt, Karl Löwith, Hans Jonas e Hebert Marcuse. Madrid: Cátedra, 2003.




DOI: https://doi.org/10.7213/revistadefilosofiaaurora.7769

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.