“É a verdade uma mulher?”: Nietzsche contra a tradição filosófica

Marcelo Leandro Santos

Resumo


O traço polêmico da escrita de Nietzsche faz com que seu pensamento seja muitas vezes incompreendido ou marginalizado pela expectativa tradicional com que se costuma abordar textos filosóficos. Justamente em razão de seu estilo provocador, Nietzsche se qualifica como filósofo contrário à tradição. Seu caráter metafórico, que sempre abre margem ao risco de imprecisão e ao erro, mostra-se potente como discurso que critica a estabilidade dos métodos tradicionais da filosofia. Será aqui analisada a gravidade do recurso metafórico proposto por Nietzsche no seu empreendimento de desqualificar a tradição filosófica. De uma forma direta, serão avaliados os signos nietzschianos envolvidos na consideração de que os filósofos da tradição seriam inaptos para lidar com a verdade caso ela fosse considerada uma mulher, em função de sua decorrente negação do corpo na filosofia.


Palavras-chave


Nietzsche, tradição, metáfora, corpo, mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


CLÉMENS, E. Da leitura à história extemporânea. In: MARTON, S. (org.). Nietzsche hoje?. Trad. Milton Nascimento e Sônia Salzstein Goldberg. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 193-201.

DELEUZE, G. Nietzsche e a filosofia. Trad. Mariana de Toledo Barbosa e Ovídio de Abreu Filho. São Paulo: n-1 edições, 2018.

DELEUZE, G. Pensamento nômade. In: MARTON, S. (org.). Nietzsche hoje?. Trad. Milton Nascimento. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 56-67.

FLORES, M. B. R. O pensamento antifeminista: a querela dos sexos. História Revista, v. 9, n. 2, p. 227-252, jul./dez. 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1999.

HALÉVY, D. Nietzsche. Porto: Inova, 1968.

MARTON, S. Extravagâncias: ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discurso Editorial, 2001.

MURICY, K. Ecce Homo: a autobiografia como gênero filosófico. Rio de Janeiro: Zazie, 2017.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Trad. Mário da Silva. São Paulo: Círculo do Livro, 1990.

NIETZSCHE, F. Ecce homo. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

TÜRCKE, C. O louco: Nietzsche e a mania da razão. Trad. Antônio Celiomar Pinto de Lima. Petrópolis: Vozes, 1993.




DOI: https://doi.org/10.7213/1980-5934.33.060.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.