“O PROBLEMA DE SÓCRATES”: um exemplo da fisiopsicologia de Nietzsche

Wilson Antonio Frezzatti Jr.

Resumo


O objetivo deste artigo é interpretar o texto “O problema de Sócrates”
de Crepúsculo dos ídolos utilizando como chave a definição de
psicologia que aparece em Para além de bem e mal § 23: “psicologia
enquanto morfologia e teoria do desenvolvimento da vontade de
potência”. Trata-se de uma autêntica fisiopsicologia, já que os impulsos,
para Nietzsche, não são nem corpo nem alma, mas tendência de aumento
de potência. Além do conceito de vontade de potência, a noção de vida,
entendida como processo contínuo de autossuperação, é central para a
fisiopsicologia nietzschiana. Livre das concepções de bem e mal
absolutos, a investigação nietzschiana não considera as produções
humanas boas ou más, mas sintomas da dinâmica de impulsos do
organismo que as produz: saudável, se afirma a vida, ou mórbida, se a
nega. No caso de Sócrates, sua filosofia metafísica é sintoma de doença
(decadência ou anarquia dos instintos), pois rejeita o mundo e o corpo.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Metaphysica. In: SMITH, J. A.; ROSS, W. D. (Ed.). The

works of Aristotle. Oxford: Oxford, 1931;

BARROS, F. de M. A maldição transvalorada: o problema da civilização em O anticristo de Nietzsche. São Paulo: Discurso Editorial; Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 2002;

COLLI, G.; MONTINARI, M. Notes e variantes. In: NIETZSCHE, Friedrich.

Crépuscule des idoles. Traduits par J.-C. Hémery. Paris: Gallimard, 1996;

FREZZATTI Jr., W. A. A fisiologia de Nietzsche: a superação da dualidade

cultura / biologia. Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 2006a;

______. A psicologia de Nietzsche: afirmação e negação da vida como sintomas de saúde e doença. In: SOUZA, E. C. de; CRAIA, E. C. P. Ressonâncias filosóficas: entre o pensamento e a ação. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006b. p. 65-82;

______. “O valor de um caracol” ou “O nobre nietzschiano: um elogio a

Cálicles?”. Cadernos Nietzsche, n. 21, p. 29-46, 2006c;

MONTINARI, M. Ler Nietzsche: o Crepúsculo dos ídolos. Cadernos

Nietzsche, n. 3, p. 77-91, 1997;

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Tradução de Mário da Silva. São

Paulo: Círculo do Livro, 1987;

______. O nascimento da tragédia. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992;

______. Ecce homo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995;

______. Más allá del bien y del mal. Traducción de A. Sánchez Pascual.

Madrid: Alianza, 1997;

______. Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe (KSA). G. Colli und M. Montinari (Hg). Berlin: Walter de Gryter, 1999. 15 Bd;

______. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo:

Companhia das Letras, 2001;

______. Crepúsculo dos ídolos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006;

PLATÃO. Fédon. Tradução de J. Paleikat e J. C. Costa. São Paulo: Abril

Cultural, 1972. (Coleção Os Pensadores);

______. Menon. In: COOPER, J. M. (Ed.). Complete works. Indiannapolis:

Hackett, 1997. p. 870-897.




DOI: https://doi.org/10.7213/rfa.v20i27.1801

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.