DISCURSO DA SERVIDÃO VOLUNTÁRIA: RELAÇÕES DE FORÇA E LIBERDADE NA OBRA DE LA BOÉTIE

Edson Donizete Toneti

Resumo


O objetivo deste artigo é propiciar um discernimento ante as ambiguidades suscitadas pelo Discurso da Servidão Voluntária no seu percurso histórico, desde seu nascedouro, passando pelas apropriações de determinados grupos, até as diferentes óticas de leitura. Na tentativa de compreender o porquê da servidão voluntária, Etienne de La Boétie reescreve as bases do poder à luz da Antiguidade, donde originam-se as relações de força. La Boétie tece considerações que permitem concluir que na tirania a cumplicidade, a igualdade e o companheirismo podem soar extremamente falsos. O antídoto mais eficaz no enfrentamento destes desvios, como forma de reencontrar a liberdade esquecida, é o bom exercício da amizade. A atualidade do Discurso da Servidão Voluntária reside no fato de ser um perene paradigma para a análise de todo e qualquer tipo de exercício da tirania.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2001.

BLOCH, M. Os reis taumaturgos. Tradução de Julia Mainardi. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

BONNEFON, P. Oeuvres complètes de La Boétie. Genebra: Slatkine Reprints, 1967.

CHÂTELET, F. A filosofia do mundo novo: século XVI ao século XVII. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1983.

CHAUÍ, M. Amizade, recusa do servir. In: LA BOÉTIE, E. de. Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Brasiliense, 1999. p. 173-239.

CROUZET, M. História geral das civilizações: a Idade Média: os tempos difíceis (Fim). São Paulo; Rio de Janeiro: DIFEL, 1977. v. 3.

DELARUELLE, L. L’inspiration antique dans le discours de la Servitude Volontaire. Revue D’Histoire Littèraire de la France, (R.H.L.), 17ème année, p. 34-72, 1910.

DUSO, G. La logica del potere: storia concettuale como filosofia política. Roma-Bari: Laterza, 1999.

FERRARI, A. Etienne de La Boétie no quadro político do século XVI. São Paulo: [s.n.], 1955.

GOYARD-FABRE, S. Introduction. In: LA BOÉTIE, E. Discours de la servitude volontaire. Paris: GF Flammarion, 1983.

INÁCIO, I.; DE LUCA, T. R. O pensamento medieval. São Paulo: Ática, 1994.

KEOHANE, N. Philosophy and the state in France. Princeton: Princeton University Press, 1980.

______. The radical humanism of etienne de La Boétie. Journal of the History of Ideas, Stanford University, v. 38, n. 1, p. 119-130, 1977.

LA BOÉTIE, E de. Discours de la servitude volontaire. Chronologie, introduction, bibliographie et notes par. Paris: Payot, 1976.

______. Memoire sur la pacification des troubles. Geneva: Droz, 1983.

______. Discurso da servidão voluntária ou o contra um. Tradução de Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: Brasiliense, 1999.

LANSON, G. Històire de la litterature française. Paris: Hachette, 1909.

LEFORT, C. O nome de um. In: LA BOÉTIE, E de. Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Brasiliense, 1999.

MESNARD, P. L’essor de la philosophie politique au XVI siècle. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, Troisième, 1977.

MONTAIGNE, M. de. Ensaios. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

ORTEGA, F. Por uma ética e uma política da amizade. In: MIRANDA, D. S. de (Org.). Ética e cultura. São Paulo: Perspectiva; SESC São Paulo, 2004. p. 30-35.

ORTIZ, L. Le pouvoir et la liberte dans le discours de la servitude volontaire D’Etienne de La Boétie. In: ______. Pouvoir et Liberté: études offertes a Jacques Mourgeon, Bruylant: Bruxelles, 1998.

SAINTE-BEUVE, C. A. Grands ecrivains Français – XVI siècle: les prosateurs. Paris: Garnier Freres, 1926.

SENNETT, R. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. Tradução de Lygia Araújo Watanabe. São Paulo: Cia das Letras, 1988.




DOI: https://doi.org/10.7213/rfa.v21i28.1216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.