Atividade econômica, terrorismo e sistema de preservação dos direitos humanos

Felipe Cesar José Matos Rebêlo

Resumo


O terrorismo tem causado sérios aborrecimentos à sociedade internacional. Desde o atentado ocorrido nos Estados Unidos da América em 11 de setembro de 2001, o mundo nunca mais seria mesmo. Diante de uma situação de instabilidade, as sanções passaram a ser bruscas e, muitas vezes, direitos vitais, como os Direitos Humanos, além da própria atividade econômica, passaram a sofrer, inadvertidamente, restrições. Como consequência, compreender o terrorismo e a forma eficaz de combatê-lo passa por compreender o que significa, realmente, a aplicação do sistema de tutela dos Direitos Humanos, a maneira de efetivação da legislação internacional, bem como a forma como devem se portar o Estado e a Comunidade Internacional perante tal quadro. 

Palavras-chave


Atividade Econômica; Terrorismo; Direitos Humanos; Legislação Internacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. T.de. A Crise da Autoridade Jurídica e o Terrorismo como Forma de Comunicação de Poder. 2009. Dissertação (Mestrado em Filosofia do Direito) –Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2009.

BOBBIO,N. O problema da Guerra e as vias da paz. São Paulo: Unesp, 2003.

BRASIL. Decreto nº 19.841, de 22 de outubro de 1945. Promulga a Carta das Na-ções Unidas, da qual faz parte integrante o anexo Estatuto da Corte Internacional de Justiça, assinada em São Francisco, a 26 de junho de 1945, por ocasião da Conferência de Organização Internacional das Nações Unidas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D19841.htm. Acesso em 22.05.2013.

BRASIL. Decreto nº 5.640, de 26 de dezembro de 2005. Promulga a Convenção Internacional para Supressão do Financiamento do Terrorismo, adotada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas em 9 de dezembro de 1999 e assinada pelo Brasil em 10 de novembro de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5640.htm. Acesso em 22.05.2013.

CÁRNIO, T. C. Contratos Internacionais: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2009.

CENEVIVA, W. Dez Anos do Iraque até Hoje. Folha de São Paulo, São Paulo, 23.03.2013. p. C2.

COURTOIS, S.et al. (Orgs.). The Black Book of Communism: crimes, terror, re-pression. London: Harvard University Press, 1999.

DEGENSZAJN, A. R.Terrorismos e Terroristas. 2006. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) –Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2006.

DONATO, P. B. O sistema jurídico internacional e o terrorismo. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito das Relações Econômicas Internacionais). Pontifícia Uni-versidade Católica, São Paulo, 2010.

FALK, R. On Human Governance Towards a New Global Politics. Cambridge: Polity Press, 1995.

GONÇALVES, Antonio Baptista. Direitos Humanose (in) tolerância religiosa. Laicismo –proselitismo –fundamentalismo –terrorismo. 2011. Tese (Doutorado em Filosofia do Direito) –Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2011.

HABERMAS, Jurgen. A inclusão do outro:estudos de teoria política. SãoPaulo: Loyola, 2002.Atividade econômica, terrorismo e sistema de preservação dos direitos humanos

HERZ, M.Perspectivas no Campo das Relações Internacionais, em decorrência do ato terrorista ocorrido nos EUA. Disponível em: www.mar.mil.br/egn/cepe/simposios/analiseTerrorista/profHerz.pdf. [2001?] Acesso em: 08.04.2013.

HELD, D.A democracia, o estado-nação e o sistema global.Lua Nova,1991, n.23, p. 145-194. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ln/n23/a10n23.pdf. Acesso em 20 de julho de 2013.

KELSEN, H. Peace Through Law. North Carolina: University of North Carolina Press, 1944.

MACEDO, P. E. V. B. de. O mito de Francisco de Vitória: defensor dos direitos dos índios ou patriota espanhol?.Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 09, n. 01, jan. / jun. 2012.

MARCHISIO, S. Recentes Progressos no Direito Antiterrorista: como colmatar as lacunas normativas. In: ABOUBAKR, J.et al. Terrorismo e Relações Internacio-nais. Lisboa: Gradiva/Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

MONDAINI, M. A Globalização do Medo. In: PINSKY, J.;PINSKY, C. B.(Orgs.). Faces do fanatismo. São Paulo: Contexto, 2004.

OETER, S. O Terrorismo como um Desafio ao Direito Internacional. In: ABOU-BAKR, J.et al. Terrorismo e Relações Internacionais. Lisboa: Gradiva/Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

PINHEIRO, F. M. L. A Teoria dos Direitos Humanos.2008.Disponível em: www.oab.org.br/editora/revista/users/.../1242739498174218181901.pdf . Acesso em 22.05.2013.

PIOVESAN,F. Proteção Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Cultu-rais. Consultor Jurídico, 26 ago. 2002. Disponível em http://www.conjur.com.br/2002ago26/direitos_economicos_sociais_culturais_desafios?pagina=4. Acessoem 01.04.2013.

RAWLS, J. Uma teoria de justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

REZEK, F. Direito Internacional Público. 7.ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

SOARES, G. F. S.Curso de Direito Internacional Público. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004. v. 01.

TEIXEIRA, A. V.. Teoria Pluriversalista do Direito Internacional.São Paulo: Martins Fontes, 2011.

WENDPAP, F.; KOLOTELO, R. Direito Internacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

WRIGHT, J.D. História da Guerra Civil Americana.São Paulo: M. Books, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.socioambienta.05.001.AO07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista de Direito Econômico e Socioambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/