HEIDEGGER E A PSICANÁLISE: UMA CONVERSA EM SICÍLIA

Vincenzo di Matteo

Resumo


Pretendo, neste artigo, analisar algumas críticas pontuais que Heidegger dirige à psicanálise freudiana, restringindo-me à conversa que manteve com Medard Boss, nas férias sicilianas de abril-maio 1963. Após uma breve contextualização do que o próprio Heidegger chamou de ‘conversas sicilianas’, procuro identificar os horizontes teóricos dentro dos quais elas se situam, analiso as críticas dirigidas à psicanálise enquanto método, terapia e metapsicologia e concluo tecendo algumas considerações quanto à sua validade e limites.

Texto completo:

PDF

Referências


FREUD, S. Correspondência de amor e outras cartas, 1873-1939.

Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1982.

______ . Dois verbetes de enciclopédia. In: Edição standart brasileira

das obras psicológicas completas. 2. ed. Rio de Janeiro,RJ: Imago,

a. v. 18. Publicado originalmente em 1923.

FREUD, S. Kell-e Az Egyetemen: A psychoanalyst Tanitani?. In: Edição

standart brasileira das obras psicológicas completas. 2. ed. Rio de

Janeiro,RJ: Imago, 1987b. v. 17. Publicado originalmente em 1919.

HEIDEGGER, M. Os seminários de Zollikon. São Paulo, SP: EDUC,

______. Sobre a essência do fundamento: Conferências e escritos filosóficos. São Paulo, SP: Abril Cultural, 1979.

______. Soggiorni: viaggio in Grecia. Milano: Guanda, 2000.

LOPARIC, Zeljko. Heidegger. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2004.

______. Heidegger, réu: um ensaio sobre a periculosidade da filosofia. Campinas, SP: Papirus, 1990.

SAFRANSKI, Rüdiger. Heidegger, um mestre da Alemanha entre o

bem e o mal. São Paulo, SP: Geração, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v17i20.8567

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.