EPISTEMOLOGIA NATURALIZADA E PSICANÁLISE: UM HORIZONTE DE EXPECTATIVA

Maria Cristina de Távora Sparano, Silvia Maria Monteiro, Patrícia Pereira

Resumo


A tese do holismo semântico de Quine apresenta-se como uma proposta interessante na formulação do quadro epistemológico da psicanálise. E mesmo afirmando-se que a psicanálise não é uma ciência no sentido estrito, pode-se dizer que é uma conseqüência do discurso científico, que supõe uma dimensão lógica a ordenar este discurso, com todo o aparato conceitual e doutrinal de uma ciência. A tese holista quiniana tem papel fundamental na epistemologia do século XX, caracterizando-se como pós-positivista e antiverificacionista. Quine já apresenta seus pressupostos teóricos no texto “Dois dogmas do empirismo” onde critica a distinção entre verdades analíticas e verdades sintéticas. A revisão do sentido da analiticidade é a versão quiniana de que as observações sempre estão “carregadas de teoria” e sua resposta virá na forma do holismo semântico. O reducionismo radical é o segundo dogma criticado por Quine e sua conclusão é que não é possível verificar cada proposição sobre o mundo físico de maneira isolada. A epistemologia quiniana, de acordo com a perspectiva holística, está além da tarefa de descrever a natureza, sua epistemologia está na natureza. Em psicanálise, autocorreção e inovação no curso da interpretação dos casos clínicos, apresentam-na como um corpus teórico orgânico afinada com o holismo quiniano.

Texto completo:

PDF

Referências


FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. Tradução e notas de

Paulo Alcoforado. São Paulo,SP: Cultrix. 1978.

FREUD S. Repressão. In: EDIÇÃO standardbrasileira das obras psicológicas

completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro,Rj: Imago, 1974.

(1915). v. 14. p.169-182.

______. Proyeto de una psicologia para neurologos. Madrid: Biblioteca

Nueva, 1981.

______. La interpretacion de los sueños. Madrid: Biblioteca Nueva,

cap. 7.

GABBI Jr., O. Freud: racionalidade, sentido e referência. Campinas:

Editora da Unicamp, 1994. v. 13. p. 204.

LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. O Falseamento e a metodologia dos programas

de pesquisa

científica. In: ______ . A crítica e o desenvolvimento do conhecimento.

São Paulo,SP: Cultrix, 1979.

MILLER, J. A. Conferência para docentes da Fac. de Psicologia.

Buenos Aires: U. de Buenos Aires: Manacial, 1989.

POPPER, K. A Lógica da investigação científica. São Paulo, SP: Abril

Cultural, 1980. p. 14-15. (Coleção Os Pensadores).

RUSSEL, B. lógica e conhecimento: ensaios escolhidos São Paulo,SP:

Abril, 1978. (Coleção Os pensadores).

QUINE, W.V. O Alcance da linguagem da Ciência. In:______ . Filosofia

e linguagem. Tradução de João Sàágua e Rui K. Silva. Lisboa: Asa, 1995.

______. Cinco marcos do empirismo. In: ______ . Filosofia e linguagem.

Tradução de João Sàágua e Rui K. Silva. Lisboa: Asa, 1995.

______. Dois dogmas do empirismo. In: ______ . De um ponto de

vista lógico: Tradução de Marcelo G.S. Lima. São Paulo,SP:Abril, 1980.

(Coleção Os Pensadores).

______. Epistemologia naturalizada. In:______ . Relatividade ontológica e outros ensaios. Tradução de Andréa Loparic. São Paulo,SP:Abril,

(Coleção Os Pensadores).

______. Notas sobre uma teoria da referência. In:______ . Filosofia e

linguagem. Tradução de João Sàágua e Rui K. Silva. Lisboa: Asa, 1995.

______. A Relatividade ontológica. In: ______ . Relatividade ontoló-

gica e outros ensaios. Tradução de Oswaldo Porchat. São Paulo,SP:

Abril, 1980. (Coleção Os Pensadores).

______. Le mythe de la signification (1958/59). Paris: Colloque de

Royamont, 1960.

VIDAL, V. Contribuições do sistema filosófico de Quine para as investigações da filosofia analítica. In: CARVALHO, Maria Cecília (org.). Paradigmas filosóficos da atualidade. Papirus, Campinas, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v17i20.8543

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.