AINDA O SUJEITO – NOTA SOBRE O CONFLITO DETERMINAÇÃO x SUBJETIVIDADE EM JACQUES LACAN

Léa Silveira Sales

Resumo


O trabalho descreve, no interior da teoria lacaniana, a operação implícita na definição de sujeito relativa à década de 50 à luz dos redimensionamentos requisitados por um ideal de cientificidade. O conflito entre determinismo e subjetividade – que bem se traduz no oxímoro “objetivação do sujeito” –, sendo fecundado pela negatividade kojèviana do desejo e pela aspiração estruturalista à formalização, pode ser indicado como um dos motores mais fundamentais dos desenvolvimentos da teoria em questão. A saída vislumbrada para este impasse, que é intrínseco às ciências humanas, é situar a negação no âmago do sujeito, tornando-o, dessa forma, essencialmente inobjetivável, porém ainda formalizável.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4. ed. São Paulo, SP: Martins

Fontes, 2000.

BADIOU, A. Onde estamos com a questão do sujeito? Letra freudiana:

Colóquio Psicanálise e Filosofia - Sujeito e Linguagem, Rio de Janeiro,

v. 16, n. 22, p. 27-44, 1997.

BAIRRÃO, J. M. Aquém do princípio da psicanálise: Lacan crítico da

Psicologia. Revista Olhar, São Carlos, v. 2, n. 3, p. 31-40, maio, 2000.

BOONS-GRAFÉ, M. C. Ou eu não penso, ou eu não sou. Letra freudiana:

Colóquio Psicanálise e Filosofia - Sujeito e Linguagem, Rio de

Janeiro, v.16, n. 22, p. 81-93, 1997.

BORCH-JACOBSEN, M. Lacan: the absolute master. Stanford, California:

Stanford University, 1991a.

BORCH-JACOBSEN, M. Les alibis du sujet (Lacan, Kojève, et al). In: LACAN

avec les philosophes. Paris: Albin Michel, 1991b.

DESCARTES, R. Meditações. In: Os pensadores. São Paulo, SP: Abril

Cultural, 1983.

DOSSE, F. História do estruturalismo: o campo do signo, 1945/1966.

São Paulo, SP: Ensaio, 1993. v. 1.

FRANK, M. Qu’est-ce que lê neo-structuralisme? De Saussure et LéviStrauss

a Foucault et Lacan. Paris: Cerf, 1989.

KOJÈVE, A. Introduction à la lecture de Hegel. 6. ed. Paris: Gallimard,

LACAN, J. Da psicose paranóica em suas relações com a personalidade.

Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 1987.

______. La famille. 1938b. In: ENCYCLOPÉDIE Française: La vie mentale.

Paris: Larousse, 1938. v. 8.

______ . Au-delà du “principe de realité. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. Propos sur la causalité psychique. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. L’agressivité en psychananlyse. In: LACAN, J.; MIRON, Murray

S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. O Seminário. Livro I: os escritos técnicos de Freud 1953-1954. Rio de Janeiro, SP: Jorge Zahar, 1986.

______. La chose freudienne. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. Le séminaire sur “La lettre volé”. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. Variantes de la cure-type. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S.

Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. O Seminário: Livro II: o eu na teoria de Freud e na técnica da

psicanálise 1954-1955. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

______ . O Seminário. Livro III: as psicoses 1955-1956. 2. ed. Rio de

Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1988.

______. L’instance de la lettre dans l’inconscient ou la raison depuis

Freud 1957. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil,

_____. O Seminário: Livro V: as formações do inconsciente 1957-1958.

Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1999.

______. Subversion du sujet et dialectique du désir dans l’inconscient

freudien 1960a. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. Position de l’inconscient 1960b. In: LACAN, J.; MIRON, Murray S. Écrits 1. Paris: Sevil, 1966.

______. Seminário IX: a identificação. Seminário inédito 1961-1962.

Buenos Aires: Paidós, 1988.

______. O Seminário: Livro XI: os quatro conceitos fundamentais da

psicanálise 1964. 2. ed. rev Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1985.

______. Intervention sur l’exposé de Michel Foucault “Qu’est ce qu’un

auteur?”. Bibliothèque Lacan. Bulletin de la Société française de philosophie, n. 3, p. 104, 1969. Disponível em: http://www.ecolelacanienne.net/pastoutlacan60.php.

LANDIM FILHO, R. A questão do sujeito em Descartes. Letra freudiana: Colóquio Psicanálise e Filosofia - Sujeito e Linguagem, v. 16, n.

, p. 47-58, 1997.

SAFATLE, V. Estética do real: pulsão e sublimação na reflexão lacaniana sobre as artes. In: IANNINI, G. et al (Orgs.). O tempo, o objeto e o

avesso: ensaios de filosofia e psicanálise. Belo Horizonte: Autêntica,

SALES, L. S. O valor epistemológico do diálogo de Jacques Lacan com o estruturalismo. Psychê: revista de psicanálise, São Paulo, v. 7, n. 11,

p. 39-58, jan./jun. 2003.

SIMANKE, R. T. Lacan: subjetividade e psicose. Discurso, São Paulo, n. 23, p.149-175, 1994.

______. Metapsicologia lacaniana: os anos de formação. São Paulo,SP: Discurso, 2002.

_I_EK, S. O mais sublime dos histéricos: Hegel com Lacan. Rio de

Janeiro,RJ: Jorge Zahar, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v17i20.8537

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.