A biopolítica no parque humano de Sloterdijk

Itamar Soares Veiga

Resumo


Este estudo trata da crítica que Sloterdijk faz ao humanismo e a Heidegger em seu livro Regra para o parque humano uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. Essa crítica se desenvolve contra a concepção do humano como animal rationale de origem humanista, e contra a uma onto-antropologia imputada à Heidegger por Sloterdijk. O desenvolvimento mostra que elementos de domesticação e seleção persistem desde a Antinguidade e hoje se apresentam sob novas formas. A proposta de Sloterdijk é a elaboração de uma antropotécnica para lidar com o humano. Nesse contexto, esse artigo busca responder a seguinte questão: qual o estatuto da biopolítica em um cenário da antropotécnica plenamente desenvolvida? Os resultados mostram que, em tal cenário, ainda existiria biopolítica, mas a determinação das diretrizes poderia não mais ser feita por humanos, mas apenas por um aparato técnico.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. O poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010;

AGAMBEN, G. Estado de exceção: homo sacer II. São Paulo: Boitempo, 2004;

ARENDT, H. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011;

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 3. ed. Rio de

Janeiro: Edições Graal, 1980. v. 1;

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999;

HEIDEGGER, M. A questão da técnica. Cadernos de tradução, n. 2, p. 40-93, 1997;

HEIDEGGER, M. Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967;

SLOTERDIJK, P. Regras para o parque humano: uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.26.039.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.