O que é uma filosofia-cinema?

Mauro Carbone

Resumo


Em uma nota originalmente publicada em 1974 somente em italiano, Gilles Deleuze cunhou a expressão filosofia-cinema, aparentemente significando um novo estilo de fazer filosofia, a ser desenvolvido sob a luz das novidades do cinema. A fim de melhor entender o que uma “filosofia-cinema” poderia ser, antes de tudo devemos imaginar o que seria uma “filosofia antiquada”. Proponho caracterizá-la como uma “filosofia-pintura” baseada na noção de “representação”. Por sua vez, essa noção sugere uma concepção peculiar de visão baseada no modelo ótico de “janela”, introduzido na pintura por Leon Battista Alberti e usado também na filosofia moderna. Esse modelo ainda funciona em nossa época? Apesar de numerosas referências recentes ao modelo janela, em minha opinião o modelo na ativa atualmente é aquele da “tela”. É claro que nossas relações diante das telas das mídias eletrônicas de hoje são diferentes daquele relacionamento que mantemos com a tela cinematográfica. Todavia, acho que esta última é a predecessora mais próxima dos modelos anteriores. De modo a entender os componentes da continuidade e da descontinuidade entre esses dois tipos de relacionamento, engajei-me numa investigação dos dois caminhos respectivos para mostrar o sonho de viver em uma tela. De fato, acho que esta investigação pode nos fornecer elementos importantes que permitam o desenvolvimento de uma “cinema-filosofia” na escala de hoje.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Che cos’è un dispositivo? Roma: Nottetempo, 2006.

ALBERTI, L. B. De pictura. Roma: Laterza, 1980. Originalmente publicado em 1435.

BENJAMIN, W. L’opera d’arte nell’epoca della sua riproducibilità técnica (1935-1936). Trad. E. Filippini. In: BENJAMIN, W. Aura e choc. Saggi sulla teoria dei media. Torino: Einaudi, 2012.

CHARBONNIER, L. Cadre et fenêtre, un dispositif pour la vision. In: CHARBONNIER, L. Cadre et regard: généalogie d’un dispositive. Paris: L’Harmattan, 2007.

DAMISCH, H. L’origine de la perspective. Paris: Flammarion, 1993.

DELEUZE, G. Nota dell’autore per l’edizione italiana. In: DELEUZE, G. Logica del senso. Trad. M. de Stefanis. Milano: Feltrinelli, 1975.

DELEUZE, G. Differenza e ripetizione. Trad. G. Guglielmi. Milano: Cortina, 1997.

DELEUZE, D. Nietzsche e la filosofia e altri testi. Trad. F. Polidori. Tornio: Einaudi, 2002.

DELEUZE, G. Il cervello è lo schermo. In: DELEUZE, G. Che cos’è l’atto di creazione? Napoli: Cronopio, 2003.

DELEUZE, G. Che cos’è un dispositivo? Trad. A. Moscati. Napoli: Cronopio, 2007.

DESCARTES, R. Opere. Trad. G. Cantelli e M. Renzoni. Milano: Arnoldo Mondadori, 1986.

JAMESON, F. Postmodernism, or the cultural logic of Late Capitalism. New Left Review, n. 146, p. 77, July-Aug. 1984.

HITCHCOCK, A. Rear windows. Take One, v. 2, n. 2, p. 18-20, 1968.

HUHTAMO, E. Elements of screenology. 2001. Disponível em: . Acesso em: 1º nov. 2013.

HUHTAMO, E. Messages on the wall: an archaeology of public media displays. In. McQUIRE, M. M.; NIEDERER, S. (Ed.). Urban dcreens reader. Amsterdam: Institute of Network Cultures, 2009.

MERLEAU-PONTY, M. L’occhio e lo spirito. Trad. A. Sordini. Milano: SE, 1989.

MERLEAU-PONTY, M. Il visibile e l’invisibile. Trad. A. Bonomi. Nuova edizione italiana a cura di M. Carbone. Milano: Bompiani, 1993.

RICHIR, M. La Défénestration. L’Arc, n. 46, p. 31-42, 1971.

SOBCHACK, V. The visual and the visible: toward a phenomenoly of the film experience. Stanford Humanites Review, v. 2, n. 2-3, 1992.

SOBCHACK, V. Carnal thoughts: embodiment and moving image culture. Berkeley: University of California Press, 2004.

TEYSSOT, G. Fenêtres et écrans: entre intimité et extimité. Revue Appareil [online], Articles, Varia, mis à jour le [atualizado em]: 6 sept. 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2013.

WAJCMAN, G. Fenêtre: chroniques du regard et de l’intime. Lagrasse: Verdier, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.25.037.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.