Estrutura e ontologia na obra de Merleau-Ponty

Ericson Falabretti

Resumo


Esse trabalho discute a renovação e a centralidade do conceito de estrutura no projeto ontológico de Merleau-Ponty. Estabelece, primeiro, a ideia de que na obra de Merleau-Ponty não existe um sentido unívoco para a noção de estrutura, mas uma polissemia de usos e sentidos que acompanham o desenvolvimento do seu pensamento. Merleau-Ponty, sobretudo no momento da elaboração d’O visivel e o invisivel, não objetivava apenas se apropriar da noção de estrutura – gestalt – já em uso na psicologia, na linguística e na etnologia, mas aprofundá-la na sua matriz filosófica, explorá-la como um novo regime de pensamento. Portanto, nossa hipótese de trabalho é que, em O visivel e o invisivel, a estrutura deixou de ser considerada apenas como a significação original da percepção e passou a ser pensada como condição do “ser-no-mundo”, um elemento essencial para uma nova noção de cogito – ser bruto –, sem os prejuízos da noção de cogito tácito que Merleau-Ponty reconheceu na Fenomenologia da percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBARAS, R. Merleau-Ponty et la psychologie de la forme. Les études philosophiques, n. 57, p. 151-163, 2001.

BARBARAS, R. Les trois sens de la chair. Sur une impasse de l’ontologie de Merleau-Ponty. Chiasmi International, n. 10, p. 19-34, 2008.

BONOMI, A. Fenomenologia e estruturalismo. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CHAUI, M. Experiência do pensamento: ensaios sobre a obra de Merleau- -Ponty. São Paulo: M. Fontes, 2002. Tópicos.

DELEUZE, G. Em que se pode reconhecer o estruturalismo? In: DELEUZE, G. O século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

DERRIDA. J. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2009.

FALABRETTI, E. S. A pintura como paradigma da percepção. Dois Pontos, v. 9, n. 1, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2013.

GOLDSTEIN, K. La structure de l’organisme: introduction à la biologie à partir de la pathologie humaine. 7. ed. Paris: Gallimard, 1951.

LÉVI-STRAUSS, C. La pensée sauvage. Paris: Plon, 1962.

MERLEAU-PONTY, M. Manuscrits inédits. Paris: Bibliothèque Nationale de France, [19--].

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 2. ed. São Paulo: M. Fontes, 1999a.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999b.

MERLEAU-PONTY. Parcours deux (1951-1961). Paris: Éditions Verdier, 2000.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003a.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003b.

MERLEAU-PONTY, M. L’institution/La passivité: notes de cours au Collége de France (1954-1955). Paris: Belin, 2003c.

MERLEAU-PONTY, M. O olho e o espírito: seguido de A linguagem indireta e as vozes do silêncio e A dúvida de Cézanne. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. A estrutura do comportamento. São Paulo: M. Fontes, 2006.

ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Os Pensadores).

SARTRE, J-P. L’être et le neant: essai d’ontologie phénomenológique. Paris: Gallimard, 2013. (Collection Tel).




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.25.037.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.