O LIMITE PROPOSICIONAL COMO ELEMENTO DE TRANSIÇÃO NO PENSAMENTO DE WITTGENSTEIN

Léo Peruzzo Júnior, Bortolo Valle

Resumo


Este artigo pretende sustentar que, em Wittgenstein, a noção de limite proposicional caracteriza um elemento de transição entre o não cognitivismo expresso no Tractatus e a filosofia posterior, especialmente nas Investigações. Neste sentido, podemos apontar que é o limite da dizibilidade que marca a ruptura na análise entre as proposições científicas e as “proposições éticas”. Enquanto as primeiras possuem valor de verdade, isto é, podem ser verdadeiras ou falsas, as demais carecem de sentido porque não podem ser expressas por uma notação ideal. Por isso, o discurso científico, ao contrário do discurso moral ordinário, expande-se na medida em que limitamos as fronteiras da linguagem (e, portanto, do pensamento). Isso permite que aceitemos como conclusão apenas a existência de proposições elementares, que não são mais analisáveis. Portanto, não é possível formular proposições morais, mas apenas enunciar juízos, uma vez que os valores não são qualidades ou propriedades supervenientes das coisas. Sendo assim, a separação entre fato e valor, no que diz respeito à lógica e à ética, é a única possibilidade para que a linguagem significativa da ciência possa afigurar a realidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BLACKBURN, S. Essays in quasi-realism. New York: Oxford University Press, 1993.

BLACKBURN, S. Verdade: um guia para perplexos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

DALL’AGNOL, D. Quine or Wittgenstein: the end of analytic philosophy?

Principia, v. 7, n. 1-2, p. 75-91, 2003.

DALL’AGNOL, D. Seguir Regras: uma introdução às Investigações Filosóficas de Wittgenstein. Pelotas: UPel, 2011.

GARGANI, A. G. Introduzione a Wittgenstein. 5. ed. Roma; Bari: Laterza, 1993.

GARVER, N. This complicated form of life: essays on Wittgenstein. Chicago: Open Court, 1994.

GLOCK, H-J. Dicionário Wittgenstein. Trad. Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

HACKER, P. M. S. The Rise and Fall of Picture Theory. In: BLOCK, I. (Org.). Perspective on the philosophy of Wittgenstein. Cambridge: MIT Press, 1983. p. 85-109.

HACKER, P. M. S. Insight and illusion. Themes in philosophy of Wittgenstein. Oxford: Clarendon Press, 1986.

HALLER, R. A ética no pensamento de Wittgenstein. In: Revista Estudos

Avançados, v. 11, n. 5, p.45-56, 1991.

HARDWICK, C. Language Learning in Wittgenstein´s later philosophy. Paris: Mouton the Hague, 1971.

KENNY, A. The legacy of Wittgenstein. New York: Basil Blackwell, 1984.

LOVIBOND, S. Realism and Imagination in Ethics. Minneapolis: The University of Minnesota Press, 1983.

MARGUTTI, P. R. Iniciação ao Silêncio: uma análise argumentativa do Tractatus de Wittgenstein. São Paulo: Loyola, 1998.

McDOWELL, J. Mind, Value, and Reality. Cambridge, Mass; London: Harvard University Press, 2002.

McDOWELL, J. Mente e Mundo. Aparecida: Ideias & Letras, 2005.

PEARS, D. As idéias de Wittgenstein. São Paulo: Cultrix; Edusp, 1973.

PERISSINOTTO, L. Wittgenstein: una guida. Milano: Saggi Universale

Economia Feltrinelli, 2010.

PERUZZO Jr., L. Wittgenstein: o interior numa concepção pragmática. Curitiba: CRV, 2011.

RICKTTS, T. Pictures, logic, and the limits of sense in Wittgenstein´s Tractatus. In: SLUGA, H.; STERN, D. G. (Org.). The Cambridge Companion to Wittgenstein. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

SALLES, J. C. “Uma certa fenomeno-logia em Wittgenstein”. In: FERREIRA, M. C. (Org.). Fenômeno e sentido. Salvador: Quarteto, 2003.

VALLE, B. A forma do Silêncio e a forma da Palavra. Curitiba: Champagnat, 2003.

VOLTOLINI, A. Guida alla lettura delle “Ricerche Filosofiche” di Wittgenstein. 5. ed. Roma; Bari: Laterza, 2009.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-Philosophicus. 3. ed. Ensaio e Trad. de Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: Edusp, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.26.039.DS10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.