Vilém Flusser: pós-história e biopolítica

André Brayner de Farias

Resumo


O artigo propõe uma aproximação entre o conceito de pós-história de Vilém Flusser e o conceito de biopolítica de Michel Foucault. No foco da análise está o problema da objetivação científica do ser humano. O conhecimento objetivo da ciência médica não está condicionado ao reconhecimento ético do ser humano. Ao máximo conhecimento corresponderia o mínimo reconhecimento. Tal situação caracteriza a crise da nossa ciência. Este trabalho analisa a situação como ponto de convergência entre a pós-história e a biopolítica. 

Texto completo:

PDF

Referências


FLUSSER, V. Filosofia da caixa-preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação.

São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FLUSSER, V. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São

Paulo: Annablume, 2010a.

FLUSSER, V. Língua e realidade. São Paulo: Annablume, 2010b.

FLUSSER, V. Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo:

Annablume, 2011.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. São Paulo: Graal,

a.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2009b.

FOUCAULT, M. Arte, epistemologia, filosofia e história da medicina. Rio de Janeiro:

Forense Universitária, 2011. (Coleção Ditos e Escritos; VII).




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.27.042.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.