Os paradoxos da sacralidade da vida humana: questões ético-políticas do pensamento de W. Benjamin e G. Agamben

Castor Bartolomé Ruiz

Resumo


A sacralidade da vida humana tornou-se um problema filosófico com desdobramentos éticos e políticos. Este ensaio apresenta uma arqueologia da sacralidade a partir dos estudos de Walter Benjamin e Giorgio Agamben, estabelecendo uma comparação com o sentido da sacralidade nas polis antigas. A sacralidade (re)aparece como figura simbólica marcada pelo paradoxo – ao mesmo tempo que protege a vida pelo direito sagrado, o direito a captura e a ameaça com a exceção. Porém, o paradoxo é insuperável, já que constitui o modo de ser do humano.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. O homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2002.

AGAMBEN, G. A linguagem e a morte. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006.

AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de História. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BENJAMIN, W. Zur kritik der Gewalt. In: BENJAMIN, W. Gesammelte

Schriften. Herausgegeben von R. Tiedemann e H. Schweppenhäuser. Frankfurt a.M: Suhrkamp, 1999. v. II.1. p. 179-204.

BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2009.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas III. Charles Baudelaire, um lírico no augedo capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 2010.

BENJAMIN, W. Sobre a crítica do poder como violência. In: BENJAMIN, W. O Anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2012;

COULANGES, F. A cidade antiga. Lisboa: Clássica, 1988;

JAEGER, W. Paideia: a formação do homem grego. São Paulo: M. Fontes, 2001;

LIVIO, T. História de Roma. São Paulo: Paumape, 1990. v. 6;

MELO NETO, J. C. de. Morte e vida Severina. Rio de Janeiro: Olympio, 1983;

MONTANELLI, I. Historia de los griegos. Madri: Plaza Janes, 1997;

RUIZ, C. M. M. B. A justiça perante uma crítica ética da violência. In: RUIZ, C. M. M. B. (Org.). Justiça e memória: por uma crítica ética da violência. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2010;

SCHMITT, C. O conceito do político. Petrópolis: Vozes, 1992;

SCHMITT, C. Teologia política. Belo Horizonte: Del Rei, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.25.037.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.