Heidegger: a vida como possibilidade e mistério

Róbson Ramos dos Reis

Resumo


O objetivo deste artigo é identificar uma estrutura fundamental, resultante da ontologia da vida orgânica esboçada por Heidegger nos Conceitos Fundamentais da Metafísica,que pode ser designada como “o mistério na vida”. Na primeira parte do texto destacoalguns elementos gerais da hermenêutica da vida. Na segunda, reconstruo a interpretação ontológica dos organismos animais que conduz ao conceito de aptidão, cuja determinação ontológica é que faz necessária a introdução de uma classe especial depossibilidade: o ser-possível como ser-apto. Na terceira parte, apresento a caracterização heideggeriana das aptidões como envolvimentos em comportamentos estruturados pela perturbação cativada (Benommenheit), ressaltando como a perturbação impedeque aos comportamentos possa ser atribuída a estrutura do algo enquanto algo, implicando que os organismos estão abertos a algo que não se lhes apresenta como aberto. Considerando a relacionalidade intrínseca aos organismos, essa limitação implica aimpossibilidade de determinar completamente a essência da vida. Portanto, argumento na última parte, a ontologia da vida elaborada por Heidegger não apenas exige um tipo especial de possibilidade para conceitualizar o ser apto orgânico, mas também resulta no reconhecimento de um mistério na vida.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Lo abierto. El hombre y el animal. Valencia: Editorial Pre-Textos, 2005.

BERMÚDEZ, J. L. Thinking without words. Oxford: Oxford University Press, 2003.

CARMAN, T. Heidegger’s analytic. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

FOLTZ, B. Inhabiting the earth. New York: Humanity Books, 1995.

HANSEN, C. The relatively happy fish. Asian Philosophy, v.13, n. 2-3, p. 145-164, 2010.

HEIDEGGER, M. Die Grundbegriffe der Metaphysik Welt: Endlichkeit - Einsamkeit. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1983.

HEIDEGGER, M. Die Grundprobleme der Phänomenologie. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1989.

HEIDEGGER, M. Gelassenheit. 13. ed. Stuttgart: Klett-Cotta, 2004.

HEIDEGGER, M. Geschichte der Philosophie von Thomas von Aquin bis Kant. Frankfurt: Vittorio Klostermann, 2006.

JARAN, F. Toward a metaphysical freedom: Heidegger‘s Project of a Metaphysics of Dasein. International Journal of Philosophical Studies, v. 18,

n. 2, p. 205-227, 2010.

LURZ, R. W. The philosophy of animal minds. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

NAGEL, T. What is like to be a bat? In: NAGEL, T. Mortal Questions. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

PETZET, H. W. Encounters and dialogues with Martin Heidegger, 1929-1976.

Chicago: Chicago University Press, 1993.

REIS, R. R. Natureza e normatividade na hermenêutica ontológica de Martin Heidegger. Natureza Humana, v. 12, n. 2, p. 1-46, 2010a. (Parte 2).

REIS, R. R. Natureza e normatividade na hermenêutica ontológica de Martin Heidegger. Natureza Humana, v. 12, n. 2, p. 1-30, 2010b. (Parte I).

TORRES, J. C. B. Sobre a distinção heideggeriana entre órgão e instrumento e a revolução biológica contemporânea. Revista Filosófica de Coimbra, v. 19, p. 315-340, 2010.

TSCHUANG-TSE, R. G. T. T. Deutsche Auswahl von Martin Buber. Zurich:

Manesse Verlag, 1951.

WHITEN, A. et al. Cultures in chimpanzees. Nature, v. 399, p. 682-685, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/revistadefilosofiaaurora.7515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.